A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Parada Zero
Tamanduateí-nova
Areal
...

Cantareira-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2011
...
 
Cia. Cantareira (1918-1941)
E. F. Sorocabana (1941-1964)
TAMANDUATEÍ-CANTAREIRA
Município de São Paulo, SP
Linha-tronco - km 0   SP-2898
Altitude: 723 m   Inauguração: 25.12.1918
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1918 (já demolida)
 
 
HISTORICO DA LINHA: O Tramway da Cantareira foi construído em 1893 para levar materiais para a construção da adutora que traria água do reservatório da Cantareira. No ano seguinte ele já estava funcionando em toda a extensão, da estação do Pari, na SPR, à Cantareira, pouco além do atual bairro do Tremembé. Em 23/09/1895, foram instituídas viagens de recreio para a população nos domingos e feriados e o transporte, poucos anos depois, tornou-se diário. Como a estação inicial de embarque para o público, na rua João Teodoro, era considerada longe do centro, prolongou-se em 1907 os trilhos até o atual Parque Dom Pedro II. Em 1908 iniciou-se a construção do ramal para Guarulhos. Já em 1920, a Cantareira era deficitária e o Governo tentou vendê-la à iniciativa particular, mas não houve interessados. O trem era entretanto o único meio de transporte até os bairros mais afastados e não era possível extingüi-lo. Em 1941, foi incorporado à E. F. Sorocabana, mas a situação não se alterou muito. A bitola estreita (60 cm) somente foi substituída pela métrica em 1947 no trecho mais longo (Tamanduateí-Guarulhos) e em 1959 no trecho original, enquanto a projetada eletrificação nunca veio. Em 1964, foi extinto o trecho original e em 31/05/1965, o trecho que sobrou, Areal-Guarulhos, foi suprimido de vez. No lugar do trecho entre a Luz e Santana existe hoje a linha do metrô, que também segue depois disso, até o Tucuruvi, o trecho aproximado do antigo ramal de Guarulhos.
 

A ESTAÇÃO: A estação original da Cantareira situava-se na rua São Caetano, junto à ponte sobre o rio Tamanduateí, próximo ao Convento da Luz.

Em 1902, atendendo aos apelos da população, que achava o ponto de saída do trem para a Cantareira muito longe da cidade (lembrar que a cidade era muito menor na época), foi então construída uma estação junto ao mercado da época, às margens do rio Tamanduateí, na Várzea do Carmo (atual Parque Dom Pedro II). Outras fontes dão a data de 1907. Ela tinha uma ligação por trilhos com a estação do Pari, da SPR, ramal utilizado para o transporte de materiais para o reservatório da Cantareira, no Tremembé, ponto final da linha.

Em 25/12/1918, a estação foi substituída por outra, com o mesmo nome, no cruzamento da rua da Cantareira com a rua João Teodoro, retornando assim a estação para próximo do seu local original, agora no início da atual avenida Cruzeiro do Sul.

Sabe-se que em 1958, a estação foi reformada, com a construção de uma segunda plataforma para embarque de passageiros.

A estação foi desativada pouco tempo depois, em 14/06/1964, quando os trens passaram a sair da estação do Areal, devido à construção da nova ponte da avenida Cruzeiro do Sul sobre o Tietê, substituindo a antiga pela qual passava o tramway. (Veja também TAMANDUATEÍ-TC-ORIGINAL)

ACIMA: O local do pátio de Tamanduateí em 1930 (Sara Brasil).

ACIMA: O local do pátio de Tamanduateí era no centro da fotografia. A fotografia aérea é de 1958. O pátio não aparece inteiro, mas a quantidade de desvios com trens é significativa seis anos antes do fechamento dessa estação. A rua João Teodoro não aparece, mas era o limite sul do pátio, entre essa rua e mais três: a avenida do Estado (com o canal do rio Tamanduateí), a rua Canindé (à direita) e a rua Pasteur, na parte norte do pátio. O ponto que a seta mostra era a saída dos trilhos para a avenida Cruzeiro do Sul (Geoportal, 1958). ABAIXO: último trem preparando-se para deixar a estação em 14 de julho de 1964. Ele partiria às 21:30 (Diario da Noite, 15/6/1964).

ACIMA: A direção do Tramway estocava esterco na estação de Tamanduateí para ser enviado de trem para o Horto Florestal. Isto causava mau cheiro nas cercanias da estação no Pari e reclamações dos moradores (esquerda: Folha da Manhã, 28/11/1929 - sem data definida; direita: Folha da Manhã, 5/9/1930).
ACIMA: Aviso oficial de 28/5/1964 sobre o fechamento da estação (E. F. Sorocabana). ABAIXO: No pátio da estação, em 1/4/2014, com duas Coopers, 3127 e 3130 (esta a de cabine reta) (Foto Sergio Martire).
(Fontes: Werner Vana; Sergio Martire; Waldemar C. Stiel; Guilherme Gaensly; Sérgio C. Moraes; Kenzo Sasaoka; Sara Brasil; Folha da Manhã, 1929-1930; Diario da Noite, 1964; Divisão de Iconografia e Museus da Prefeitura de São Paulo; Comissão de Saneamento da Capital, 1895; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1942-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)

     

A estação da rua João Teodoro, em 1946. Foto de relatório da Sorocabana para a Cantareira, cedida por Kenzo Sasaoka
   
     
Atualização: 17.01.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.