A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Juquiratiba
Tapijara
Pirambóia
...

Tronco EFS - 1935

IBGE-1960
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Sorocabana (1927-1952)
TAPIJARA (antiga LARA CAMPOS)
Município de Conchas, SP
Linha-tronco - km 230,496   SP-2915
    Inauguração: 15.03.1927
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1927 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi aberta em 15/03/1927, como posto km
Afirma-se que até 1897 existiu uma estação entre as de Conchas e de Pirambóia de nome Rio do Peixe, no antigo km 237 da linha, "antes e próximo ao rio que lhe deu o nome", pois essa ponte não suportava o peso das novas locomotivas Baldwin, carros e vagões que por ela teriam de passar a passar dessa época. Essa ponte ficava "uns 200 m acima da atual". A estação foi construída por causa da necessidade de baldeação para locos mais leves até que a nova ponte ficasse pronta. Apenas a vila ferroviária existiu ao redor da estação, até que mais tarde se construiu por ali uma pequena olaria, de Francisco Misassi. No local, com o cruzamento de trens, foi criado o posto de Tapijara, onde Álvaro Ferreira Gomes foi o primeiro agente. O local teria tido o nome alterado para Salgado, apelido de um morador da região - "Pedro Salgado" - cujo nome real era Pedro Carlos de Arruda. Foi ele que cedeu o terreno para a nova estação ("Em busca de raízes", p. 306-307). A história, claramente, mistura as estações de Juquiratiba - esta sim, tinha o nome de Salgado até 1947, de acordo com os relatórios da Sorocabana - e de Tapijara, desativada quando da construção da variante de 1952 e demolida. Para que se tenha uma idéia, Juquiratiba em 1931 estava no km 217; Tapijara, no km 231. Vejam então as discrepâncias entre relatos e o que está escrito nos relatórios.
242 (km 241+700), depois Lara Campos e recebendo o nome atual, Tapijara, em 01/05/1927. Esta sequência de datas e nomes foi obtida a partir dos relatórios oficiais da Sorocabana. Porém, uma versão contada por

ACIMA: (esquerda) a linha velha ainda tem algum trânsito ferroviário mesmo depois da abertura da linha nova (O Estado de S. Paulo, 15/11/1951). (direita) Já abandonado, a prefeitura de Botucatu diz que vai fazer uma rodovia no lugar dos trilhos. Nunca fez (O Estado de S. Paulo, 23/10/1952).
antigos ferroviários torna a situação bastante confusa. A estação de Tapijara foi finalmente desativada em 1952, com a abertura da


ACIMA: mapa mostrando a linha nova e a velha da Sorocabana na região de Botucatu e de Avaré. Por ele dá para se ter uma idéia de como Tapijara e outras saíram da linha e ficaram isoladas. A linha nova (estilizada, pois não mostra todas suas curvas) é a que está com barras (Acervo Ralph M. Giesbrecht). ABAIXO: O mapa do município de Conchas mostra ainda a linha antiga, embora tenha sido publicado em 1960 pelo IBGE; isto se vê quando se compara com o mapa do município vizinho, na mesma publicação, mas já com a linha nova, mais ao sul. A linha nova passa ao sul de Juquiratiba - não muito longe (quanto, realmente?) e entrava por Bofete e não por Anhembi - ver a divisa desses 2 municípios, à esquerda do mapa, no córrego Vicentinho. Além do mais, Tapijara não teve versão nova na linha nova e pode ser vista no mapa abaixo (à esquerda, na linha, bem próxima à divisa com Anhembi), pois é a linha antiga
(Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, volume XI, 29/5/1960, p. 89).

variante Juquiratiba a Botucatu. Já foi demolida, não existindo nenhum resquício do prédio, segundo constatou Adriano Martins, que visitou o local em 28/04/2002. CLIQUE AQUI PARA VER AS LINHAS VELHA E NOVA DA SOROCABANA NESTA REGIÃO
(Fontes: Adriano Martins; O Estado de S. Paulo, 1951-52; Folha de Conchas, 1949; E. F. Sorocabana: relatórios oficiais, 1875-1969; _:"Em busca de raízes", p. 306-307; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, 1960; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1949. Folha de Conchas, 1949

Local da antiga estação, em 28/04/2002. Foto Adriano Martins
 
     
     
Atualização: 06.12.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.