A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1877-78):
Sertãozinho
Aterradinho
Casa Branca
...
(1879-87):
Caldas (Engenh. Mendes)
Aterradinho
Casa Branca
...

Tronco da Mogiana-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1877-1886)
ATERRADINHO
Município de Casa Branca, SP
Linha-tronco original - km ?   SP-0957
Altitude: -   Inauguração: 1877
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1883? (já demolida)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Mogiana teve o primeiro trecho inaugurado em 1875, tendo chegado até o seu ponto final em 1886, na altura da estação de Entroncamento, que somente foi aberta ali em 1900. Inúmeras retificações foram feitas desde então, tornando o leito da linha atual diferente do original em praticamente toda a sua extensão. Em 1926, 1929, 1951, 1960, 1964, 1972, 1973 e 1979 foram feitas as modificações mais significativas, que tiraram velhas estações da linha e colocaram novas versões nos trechos retificados. A partir de 1971 a linha passou a ser parte da Fepasa. No final de 1997, os trens de passageiros deixaram de circular pela linha.
 
A ESTAÇÃO: A estação do Aterradinho foi uma das estações mais antigas e de vida mais curta da história da Mogiana. Local do qual não se conhecem fotografias, pertencia à linha-tronco original da ferrovia. A menção mais antiga a ela é também a mais importante: o Imperador Dom Pedro II visitou Casa Branca em novembro de 1877, numa visita que tinha como objetivo a inauguração do trecho entre Mogi-Mirim e Casa Branca, bem como da própria estação da cidade. Porém, com as fortes chuvas do final daquele ano, a finalização do trecho final teve de ser adiada para o início de 1878... a viagem foi mantida, e o Imperador acabou descendo no Aterradinho, para, de lá, ser transportado de carruagem para a cidade, pois a linha chegava somente até ali. A estação, portanto, já era citade no final de 1877. Porém, o relatório do Presidente da Província de São Paulo de 1884 cita a construção da estação do Aterradinho no ano anterior (1883). O que existia ali seria provisório, mesmo porque ela somente seria necessária mesmo a partir de 1881, com a abertura do primeiro trecho da linha que dali saía e seguiria para Laje, São Simão e Ribeirão Preto. Mais tarde, a estação foi utilizada como ponto de partida para a "linha do Ribeirão Preto", que era, na verdade, o prolongamento da linha-tronco da Mogiana, que, até o final de 1881, ia somente até a estação de Casa Branca. O trecho a seguir , extraído do relatório da Mogiana de 20/09/1880, explica o motivo: "A linha de Entre Rios convém entroncar-se na linha primitiva, seis kilometros antes de Casa Branca (...) por causa da disposição de terreno". Note-se
ESTAÇÃO DE SERTÃOZINHO
Há pelo menos uma literatura, da qual não consegui o nome, que menciona que a estação do Sertãozinho (nada a ver com a cidade e estação de Sertãozinho, no município do mesmo nome), constante nos relatórios da Mogiana de 1878 como inaugurada no início desse ano, seria, na verdade, a estação do Aterradinho. Por que teria mudado de nome, não se sabe. Note-se que a referência a Dom Pedro II descendo no Aterradinho no final de 1877 (ver texto maior) foi escrita anos depois, portanto o nome usado não teria sido Sertãozinho, que ainda não estava inaugurada - a linha não estava pronta, como podemos ler. Sabe-se também que a estação teria sido fechada nesse mesmo ano de 1878, mas a possibilidade de ela ser a de Aterradinho, eventualmente reaberta depois com esse nome, realmente existe. (Ver SERTÃOZINHO-1878)
TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros - pararam nesta estação de 1878 a 1887. Veja aqui horários em 1886 publicado no Almanach 1887 de Júlio de Souza Amaral Gurgel
que Entre Rios era o nome pelo qual a cidade de Ribeirão Preto foi conhecida por um curto espaço de tempo, entre 1877 e 1880. Era mais fácil, devido ao terreno, a nova linha sair do tronco, antes da chegada deste a Casa Branca. Assim, trens desembarcavam passageiros no Aterradinho, que esperavam pelo novo comboio que saía de Casa Branca tendo como destino Ribeirão Preto. Era assim necessário, porque, curiosamente, o trem saía de Casa Branca para Ribeirão antes que chegasse o outro, vindo de Campinas. Em 01/11/1881, a linha do Ribeirão Preto era inaugurada até a estação de Lage, 22 km à frente. Somente em agosto de 1882 ela chegava a São Simão, e no final de 1883, a Ribeirão Preto. A estação do Aterradinho foi suprimida em 30 de junho de 1886, segundo o relatório da Mogiana, desse ano: "desde 30/06/1886 que ficaram os trens para Ribeirão Preto partindo da estação de Casa Branca, supprimindo-se a parada do Aterradinho e baldeação dos passageiros de Casa Branca. Conforme o projecto executado, a linha do Ribeirão Preto parte (agora) de Casa Branca acompanhando paralelamente na extensão de um kilometro a linha do Tronco, separando-se desta no logar onde está colocado o triangulo, para alcançar a linha do Ribeirão Preto no km 170+800 m. A distancia deste ponto a Aterradinho é a mesma que a Casa Branca". Outro trecho do mesmo relatório, repete, mais à frente: "Mudou-se o ponto de partida da linha do Ribeirão Preto de Aterradinho para Casa Branca, construindo-se para esse fim uma linha de 4.200 m de extensão". Finalmente, o relatório do ano de 1887 escreve que "o posto de signal de Aterradinho, tornando-se inutil lá, pela supressão da estação, foi mudado para Casa Branca, onde determina a entrada dos trens do tronco e da linha do Ribeirão Preto". O Almanach da Provincia de S. Paulo para 1887 ainda dava os horários em que os trens passavam por lá: o P1 saía de Campinas às 9:30 e chegava a Aterradinho às 14:37, e a Casa Branca treze minutos mais tarde; enquanto isto, o P3 , que saía de Casa Branca às 14:20, já estava no Aterradinho desde as 14:32, esperando os passageiros de Campinas. Em Aterradinho não se vendiam bilhetes. Nenhum dos relatórios da Mogiana da época cita qualquer bilhete vendido ali, ao contrário de todas as outras estações. Era, na verdade, uma parada, que, aparentemente, pode não ter tido nenhum prédio construído. Sobrou apenas o nome do córrego e da lagoa próximos, que aliás devem ter sido o que deu o nome à estação. Esta, por sua vez, ficou somente para a história. Não se conhecem fotos da estação.
(Fontes: Júlio de Souza Amaral Gurgel: Almanach para 1887; Cia. Mogiana: Relatórios anuais, 1875-1900; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     
     
     
     
Atualização: 17.05.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.