A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1878-1951)
Papagaios
Casa Branca
Briaréu
...
Saída para o ramal de Mococa (1884-1951):
Itobi
...
No ramal de Mococa (1951-1992):
Casa Branca-nova
Casa Branca
Itobi
...

Tronco CM - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2011
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1878-1971)
FEPASA (1971-1998)
CASA BRANCA
Município de Casa Branca, SP
Linha-tronco original - km 168,534
Ramal de Mococa - km 174,364 (1960)
  SP-1123
Altitude: 716 m   Inauguração: 14.01.1878
Uso atual: sede da Prefeitura   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1890
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Mogiana teve o primeiro trecho inaugurado em 1875, tendo chegado até o seu ponto final em 1886, na altura da estação de Entroncamento, que somente foi aberta ali em 1900. Inúmeras retificações foram feitas desde então, tornando o leito da linha atual diferente do original em praticamente toda a sua extensão. Em 1926, 1929, 1951, 1960, 1964, 1971, 1973 e 1979 foram feitas as modificações mais significativas, que tiraram velhas estações da linha e colocaram novas versões nos trechos retificados. A partir de 1971 a linha passou a ser parte da Fepasa. No final de 1997, os trens de passageiros deixaram de circular pela linha.
 
A ESTAÇÃO: A estação original de Casa Branca foi aberta em 1878 como ponta de linha do tronco, assim permanecendo até 1882, quando foi inaugurado o trecho Casa Branca-São Simão. O prédio ainda era provisório: "Todas as estações (do prolongamento) foram feitas de armações de trilhos usados, cobertas de zinco, e fechadas com taboas de pinho, e todas convenientemente

ACIMA: A rotunda do pátio, hoje demolida (CLIQUE SOBRE A FOTO PARA VER MAIS DETALHES SOBRE ELA). ABAIXO: Em fotos de 1938, respectivamente a rotunda do pátio, hoje demolida, e casas da vila ferroviária (Fotos da Revista SPR, janeiro de 1939).
pintadas e possuindo internamente as accommodações necessarias. A estação de Casa Branca, pelo mesmo systema, só differe das outras nas dimensões, que são muito maiores. As estações intermediárias ficaram à companhia em 2:000$000 cada uma, e a de Casa Branca em 12:000$000 mais ou menos" (Relatório da Mogiana, 10/03/1878, sobre as cinco estações do prolongamento de Mogi-Mirim a Casa Branca)
. Segundo o relatório

ACIMA: As linhas da Mogiana na área urbana em Casa Branca, neste mapa do livro de Geraldo Majela Furlani, de 2003. A linha que vem de oeste e segue para o sudeste é a do tronco da Mogiana, variante de 1951 Lagoa-Tambaú. A estação de Casa Branca-nova fica no bairro do Desterro e não está assinalada, à esquerda do mapa. A linha que bifurca para o sul e depois faz uma volta para leste cruzando a linha da variante é o ramal de Mococa, que a partir de 1951 incorporou a estação de Casa Branca, a antiga. Esta sim, está assinalada, no centro, um pouco à direita, no mapa. Notar a curva que a linha faz em "U", para depois sair para o leste sentido Itobi. Na época do mapa, os trilhos do ramal desativado em 1990 ainda chegavam quase até a estrada que segue para Mococa (Desenho do livro de Geraldo Majela Furlani, "O Município de Casa Branca", 2003). ABAIXO: CLIQUE SOBRE A FIGURA PARA VE-LA EM TAMANHO MAIOR - A linha da Mogiana em 1934 na cidade de Casa Branca. Ela chega do sul (canto direito inferior), faz uma curva enorme (que ainda existia até alguns anos atrás) e sobe para o norte no sentido de Coronel Correa. Também lança para a direita o ramal de Mococa. Compare com o mapa mais acima, de 2003 (Arquivo Publico do Estado de São Paulo - Mamoria Publica).
da Mogiana de 1890, nesse ano "concluiu-se a estação de Casa Branca", eliminando-se a estação de madeira - que mesmo ainda sendo provisória, foi aumentada em 1883, segundo o relatório do Presidente da Província de 1884. Da estação de Casa Branca saía, desde 1890, o ramal que levava a Mococa e a Guaxupé. Funcionou como estação principal da cidade até o ano de 1951, quando foi inaugurada a estação nova da cidade, que passou a atender ao tronco e à saída do ramal. A estação antiga, então, ficou sendo a primeira do ramal de Mococa, que passou a ter como ponto inicial Casa Branca-nova, e passou a ser chamada de Casa Branca Ramal. Depois de desativada em 1988, a estação de Casa Branca-Ramal serviu de sede para o pessoal da eletrificação do trecho Campinas-Ribeirão Preto, e para estocagem de material elétrico. Essa eletrificação, entretanto, nunca passou de Casa Branca.
ACIMA: Em meados de 1949, e certamente por causa das modificações ocorridas após a implantação da variante entre Casa Branca e Tambaú que ocorreu em dezembro de 1948, a baldeação do tronco para o ramal estava sendo feita não em Casa Branca, mas em Cocais. Nenhuma explicação, nem se esta parada estaria ainda na linha velha (que, segundo se conta, teria convivido com a variante até meados dos anos 1950) ou se seria alguma parada provisória na variante (Folha da Manhã, 1/7/1949). ABAIXO: O antigo pátio de Casa Branca, com o depósito de máquinas e uma das casas estava assim em agosto de 2008. Trilhos ali são somente lembranças. A ligação do mapa acima não existe mais. Os vagões estacionados no canto direito estão isolados sobre pedaços de trilhos sem ligação com nada (Foto Leonardo Patara).

"Compraram milhões em equipamentos, inclusive locomotivas francesas para abandonar tudo no mato. As locomotivas nunca chegaram a circular porque eram mais largas e iam bater em todas as plataformas das estações. Belos engenheiros", conta Rodrigo Cabredo. O ramal, depois de uma reativação em 1986, foi logo desativado e os trilhos retirados; entretanto, manteve-se a ligação entre a estação e a de Casa Branca-nova, e em dezembro

ACIMA: A linha da variante e a linha velha são mostradas no mapa acima.Onde está escrito "Estação de Briaréu" é na vedade a de Casa Branca-nova; a a de Briaréu é bem próxima, mas no leito da linha velha e não está assinalada. A linha velha corre mais ao sul no mapa; a da variante, mais ao norte e depois dirige-se ao canto esquerdo superior do mapa. Os anéis de linha na linha nova são as reversões para entrer no ramal de Mococa, onde está agora a estação de Casa Branca-velha, é a linha que segue para nordeste - CLIQUE SOBRE O MAPA PARA VE-LO EM DETALHE E ÁREA MAIORES (IBGE, anos 1970). ABAIXO: O pátio de Casa Branca, talvez anos 1930. Notar a rotunda ainda em pé um pouo acima do centro da foto - CLIQUE SOBRE O MAPA PARA VE-LO EM DETALHE E ÁREA MAIORES (Autor desconhecido).
de 2000, embora o prédio já estivesse ocupado pela Prefeitura Municipal, o pátio ainda continha os desvios com alguns vagões. Poucos meses depois disso, os armazéns da estação, do outro lado do pátio, foram invadidos, depredados, saqueados e incendiados. Até por volta de 2000, o antigo ramal ainda seguia por alguns metros no sentido de Itobi, e, logo depois de cruzar a avenida de entrada principal da cidade, desaparecia no meio do matagal. Pouco depois (2004), retiraram-se esses trilhos e ainda a ligação entre as duas estações de Casa Branca. (Veja também CASA BRANCA-NOVA) (Veja também a ROTUNDA DE CASA BRANCA)
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Darcy Mennucci; Douglas Bulhões; Humberto Alvarenga Jr.; Tony Belviso; Luis Fernando Pecchiore Bastos; Rodrigo Cabredo; Leonardo Patara; Folha da Manhã, 1948-1949; Revista SPR, 1939; Geraldo Majela Furlani: O Município de Casa Branca, 2003; Cia. Mogiana: relatórios anuais, 1875-1969; Cia. Mogiana: relação oficial de estações, 1937; Relatório do Presidente da Província, 1884; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1910 (Álbum da Mogiana)

A rotunda de Casa Branca, sem data. Foto cedida por Tony Belviso

A estação no final dos anos 1920. Acervo Douglas Alexandre Bulhões e Humberto Alvarenga Jr.

Estação e plataforma (1996). Foto Darcy Mennucci

A fachada da estação (1996). Foto Darcy Mennucci

Estação e plataforma (31/12/1999). Foto Ralph M. Giesbrecht


Fachada da estação, já pintada (31/12/1999). Foto Ralph M. Giesbrecht


A estação como estava em agosto de 2008. Foto Leonardo Patara

A estação novamente restaurada, em março de 2013. Foto Luis Fernando Pecchiore Bastos
     
Atualização: 01.12.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.