A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Engenheiro Gualberto
Carlos de Campos
Vila Matilde
...
Saída para o ramal da Penha: Penha
...

ram. S. Paulo EFCB-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2011
...
 
E. F. Central do Brasil (1894-1975)
RFFSA (1975-1994)
CPTM (1994-2000)
CARLOS DE CAMPOS
(antiga GUAIAÚNA)

Município de São Paulo, SP
Ramal de São Paulo - km 491,403   SP-1125
Altitude: 735 m   Inauguração: 02.08.1894
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c.1964 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cachoeira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação, aberta como Guayauna, "Caranguejo Negro", na antiga língua guarani, em 1894, foi descrita como "pequena e elegante" em 1928, no livro de Max Vasconcellos em seu livro A Estrada de Ferro Central do Brasil. O ramal da Penha havia sido inaugurado em 1886, saindo de um ponto a 7,7 km da estação do Norte (Roosevelt), exatamente no ponto onde, em 1894, portanto oito anos mais tarde, seria construída a estação de Guaiaúna - mais tarde renomeada como Carlos de Campos. É

ACIMA: Na revolução de 1924, "em Guayauna, vanguarda das tropas legaes, ao partir o trem especial da administração da E. F. Central do Brasil para a Estação do Norte" (O Malho, 9/8/1924).

"Cinco de julho de 1924 foi um sábado. (...) Quem tentou tomar o trem às 8h30 na mesma estação (Luz) descobriu que não havia trens e que a estação estava ocupada por uma tropa da Força Pública comandada por um sujeito magrela, um tal de João Cabanas. (...) Poucos dias depois, o governador Carlos de Campos abandonava o Palácio dos Campos Elísios para se refugiar na estação de Guaiaúna, na Penha, sob tutela das forças legais do Exército. O ministro da Guerra e os generais mandaram bombardear a cidade para desalojar os revoltosos. (...)" (José de Souza Martins, A Revoluçao de 1924, O Estado de S. Paulo, 6/7/2009).

sabido com base em documentação da época que, a cerca de 300 metros à frente da saída do ramal, existia uma paradinha, cujo nome teria sido Parada Amândio, ou Parada Armando, que era um barraco de madeira que, com a abertura do ramal, foi removida de onde estava e recolocada no final do ramal da Penha, dando origem à estação da Penha. A estação de Guaiaúna, portanto, seria praticamente a
continuação da vida dessa paradinha esquecida pela história, com um intervalo de oito anos. Em 1924, junto à sua plataforma esteve encostada por dias uma composição de trem que era tanto a sede do Governo Estadual como o quartel-general das forças legalistas em operação, durante a revolução de julho de 1924, sob Carlos de Campos, então Presidente do Estado. Em 18/11/1933, a estação ganhou o seu nome, pois Carlos morreu durante o mandato, em abril de 1927. O histórico prédio da estação que serviu como sede
ACIMA: Na plataforma da estação durante a revolução de 1924, o Estado-Maior das tropas legalistas (A Cigarra, julho de 1924). ABAIXO: A estação, com o nome de Carlos de Campos, aparece nesta fotografia (talvez dos anos 1940) com o nome já no dístico, ao invés de Guaiaúna, seu nome original (ver fotografia de 1924 ao pé da página). Carros de madeira de um trem da Central estão encostados em sua plataforma. Ao fundo, a Fábrica de Papel Santa Teresinha com sua chaminé (Maria da Penha Marinovic Doro: Vila Nova Savoia, série História dos Bairros de São Paulo, vol. 28, São Paulo, 2006. Crédito dado a Azevedo (1945:94)).

de Governo foi demolido mais tarde, por volta de 1964 - nesse ano, notícias dão conta de que ela estava "em obras" - e o novo prédio foi também remodelado por volta de 1988, segundo W. Gimenez. A data da demolição da estação e sua substituição pela nova, no entanto, ainda é um mistério. Até os anos 1950, aproximadamente,

ACIMA: Reportagem publicada em fevereiro de 1941 pela Revista Ferroviaria mostra a substituição do sinal mecânico sendo substituído pelo elétrico ((Revista Ferroviária, 2/1941).
saía desta estação um pequeno ramal, o ramal da Penha, que acompanhava as atuais ruas Irapucara e General Sócrates, e terminava na esquina desta rua com a rua Coronel Rodovalho, onde ficava situada a estação Penha, hoje já demolida. O ramal serviria como transporte de romeiros para a igreja e existia desde o final do século XIX. Carlos de Campos, como toda estação de subúrbios da Central, também teve seu dia de pânico e de depredação, em 1977 (leia no link), como relatou o jornal Folha de S. Paulo de 30 de março desse ano. E não foi o primeiro: em dezembro de 1948, a estação havia sido incendiada em outro desastre de subúrbios (leia neste link). Em 26/05/2000, foi finalmente desativada, com a inauguração do trem expresso da CPTM. Ficava junto à estação Penha do metrô. Em 28/09/2000, passei por ali com o trem expresso, e vi a plataforma sendo desmontada, e a cobertura já não tinha telhas. "Moro a algumas centenas de metros da linha F

ACIMA: Antigo pátio da estação de Carlos de Campos, em São Paulo,em foto de 2011. Atualmente, ali passam os trens da linha 11-Coral, da CPTM, sem parar, e afoto mostra um raro cruzamento nesse antigo pátio (Foto Carlos Roberto Almeida).
(antiga Central), na Penha. Vejo todo dia a estação Carlos de Campos, com a distância do Rio, da estação Roosevelt, a latitude e a longitude inscritas nela. Naquele local saía um ramalzinho que ligava a linha principal ao centro da Penha. Quando era moleque ainda dava para se ver os trilhos dentro de um terreno particular. Em uma das casas desse terreno há uma inscrição: "M.A. 1938", dizia meu avô que significava "Ministério da Agricultura" pois ali eram inspecionados os vagões que levavam gado. Não sei se isso procede. Em uma rua mais a frente temos um muro de arrimo feito em pedras, cortando um morro. Sinais da passagem do trem
" (Paulo Gimenez Gonçalves, 04/2003). A cobertura de concreto da plataforma, que até junho de 2008 ainda existia, foi demolida logo depois.
(Fontes: Ralph Giesbrecht, pesquisa local; Paulo Gimenez Gonçalves; W. Gimenez; Carlos Roberto de Almeida; Rodrigo Moreira; Rafael Asquini; Azevedo, 1945:94; Revista Ferroviária, 1941; O Estado de S. Paulo, 1/1/1964 e 2009; Folha de S. Paulo, 1977; Maria da Penha Marinovic Doro: Vila Nova Savoia, série História dos Bairros de São Paulo, vol. 28, São Paulo, 2006; O Malho, 1924; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; Revista da Semana, julho de 1924; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Comando das tropas do Governo, em julho de 1924, durante a revolução. O prédio da então estação de Guayauna, visto à esquerda, era a sede do governo estadual. Nota-se a bonita construção.

Ainda os comandantes na plataforma de Guayauna. As duas fotos são da Revista da Semana, de 09/08/1924

A estação, no dia seguinte à sua desativação (28/05/2000). Foto Ralph M. Giesbrecht, tirada da passarela da estação Penha do metrô, do qual se vê o prédio à esquerda

A estação desativada, em 2008. Foto Rafael Asquini

A estação já com a cobertura da plataforma demolida, em 12/2008. Foto Rodrigo Moreira
 
     
Atualização: 02.02.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.