A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice - estações da linha
...
Pombal
Saudade
Barra Mansa
...
Saída para o ramal de Bananal: Harmonia
...

...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1999
...
 
E. F. Dom Pedro II (1883-1889)
E. F. Central do Brasil (1889-1975)
RFFSA (1975-1996)
SAUDADE
Município de Barra Mansa, RJ
Ramal de São Paulo - km 156,473   RJ-1189
Altitude: 377 m   Inauguração: 08.08.1883
Uso atual: abandonada (2009)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cacheoira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Saudade foi aberta em 1883, provavelmente já prevendo a saída para a E. F. Bananal, depois ramal de Bananal, aberta em 1888.

Daqui saíram os trilhos do ramal até 1964, quando o ramal foi suprimido.

Desde 1990 a linha da Ferrovia do Aço se encontra com as do ramal de São Paulo no pátio de Saudade.

"A estação de Saudade pegou fogo na noite de sexta-feira, dia 05/07/2002, por volta das 22 horas, destruindo grande parte do telhado. O incêndio foi controlado por volta da 1 hora da manhã. Na manhã de sábado ainda havia alguns focos de incêndio no local. Ainda não se sabe a causa do acidente, mas presume-se que tenha sido criminoso: foi tudo muito rápido, em uma hora estava tudo destruído. O local estava abandonado há muito tempo, e estava sendo usado para consumir drogas, para sexo, além de servir como abrigo de viajantes e mendigos. Os moradores do bairro estavam com um projeto de transformar a estação em um centro cultural e lazer para a população, agora o temor é de que se destrua o que sobrou. O historiador e pesquisador Alan Carlos Rocha afirmou que o incêndio destruiu uma parte na história da cidade: "A estação era a saída de um ramal entre Bananal e Barra Mansa para escoar a produção de café. A estação fazia parte do ciclo do café no final do século 19. O café que chegava do porto Esperança no mesmo bairro, era levado para a estação que era transportada para o Rio de Janeiro" (adaptado de uma reportagem de Felipe de Souza, no Diário do Vale, de 08/07/2002).

Em 2008, a plataforma já tinha tido as telhas da cobertura levadas. A degradação foi muito rápida: no final de 2009, a estação já havia perdido o telhado e parte das paredes. É muito difícil manter-se a memória ferroviária no Brasil.

1933
AO LADO: Acidente próximo à estação de Saudade
(O Estado de S. Paulo, 3/2/1933).

ACIMA: Composição da MRS vinda de São Paulo (ou da ferrovia do Aço) passa pela estação abandonada em 2003 (Foto Jorge Alves Ferreira).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 1998; Alan Carlos Rocha; Jorge A. Ferreira;Simone Viana; Juliana Luscher; Nikson Salem; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; Felipe de Souza, Diário do Vale, 2002; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 26/05/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 26/05/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 02/2008. Foto Carlos Latuff, para o estudo das arquitetas Simone Viana e Juliana Luscher para o IPHAN

A estação já em ruínas em dezembro de 2009. Foto Nikson Salem
   
     
Atualização: 27.04.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.