A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Coelho Neto
Acari
Pavuna
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Rio de Ouro (1926-1928)
E. F. Central do Brasil (1928-1970)
ACARI
Município de Rio de Janeiro, RJ
E. F. Rio de Ouro - km 18,032 (1928)   RJ-0638
Altitude: 4 m   Inauguração: 13.05.1926
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro Rio do Ouro foi construída para construir e cuidar dos reservatórios e do abastecimento de parte da cidade do Rio de Janeiro e foi aberta ao tráfego de passageiros em 1883. Inicialmente saía do Caju e mais tarde (1922) passou a ter como início a estação de Francisco Sá. Depois dessa mudança o seu curso inicial foi alterado e ela passou a acompanhar de muito próximo a linha Auxiliar até a estação de Del Castilho, quando se separavam as linhas. Na estação da Pavuna elas voltavam a se encontrar. O trecho final, até Belford Roxo, era compartilhado com os trens metropolitanos da Auxiliar (depois da Leopoldina) em bitola mista. Em 1970 os trens da Rio de Ouro, ainda a vapor, embora tenham sido feito testes com locomotivas diesel, deixaram de circular. A Rio de Ouro, encampada pela Central do Brasil nos anos 1920, tinha vários ramais e três deles sobreviveram como trens de subúrbio até a mesma época da desativação da linha-tronco: os ramais de Xerém, do Tinguá e de São Pedro (Jaceruba). Parte de sua linha-tronco foi utilizada na construção da linha 2 do metrô do Rio de Janeiro.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Acari foi aberta em 1926. Com a desativação da ferrovia por volta de 1968, foi posteriormente demolida.

Hoje em dia existe uma estação de metrô com o mesmo nome e no mesmo local, pois o metrô em boa parte do percurso passa pelo antigo leito da ferrovia.

"O serviço da Rio D'Ouro foi se degradando até culminar no fechamento das estações até a Pavuna em 1964, quando os trens deixaram de circular, restando apenas os ramais isolados da ferrovia após Belford Roxo. Logo após o encerramento do serviço de passageiros, os trens de carga Leopoldina passaram a utilizar o leito da Rio D'ouro até a Pavuna, onde após uma manobra complicada, chegavam à linha auxiliar através do ramal circular da Pavuna, uma vez que não podiam mais contar com o trecho erradicado entre Petrópolis e Três Rios, para chegar a Minas Gerais. Trens de passageiros da Leopoldina também utilizavam o mesmo trecho da Rio D'ouro com destino a Miguel Pereira.

Essa situação perdurou até o final de 1967, quando o ramal São Bento-Ambaí ficou pronto e os trens da Leopoldina chegavam a Minas Gerais pelo seu próprio leito e pelo leito da Auxiliar a partir de Ambaí, encerrando de vez qualquer utilidade para a Rio D'ouro. No início dos anos 70 eram poucos os locais da ferrovia ainda com trilhos. A estação de Acari teria resistido à duplicação da Avenida Automóvel Clube (atual Pastor Marther Luther King Jr), responsável pela demolição de algumas estações no trecho, e ficado de pé até pelo menos 1977, onde foi demolida para a reurbanização da região envolvendo as obras do metrô.

Hoje a estação de metrô de Acari está praticamente no mesmo local da antiga estação de trem com a diferença apenas de alguns metros em relação ao eixo do traçado da ferrovia. Em 1977, o canteiro central da Avenida Automóvel Clube teve que ser alargado para abrigar o leito do metrô e a via de subida teve que ser reconstruída mais para a direita, culminando com a demolição da estação
" (Adenilson Souza, 1/9/2013).






1933
AO LADO: Descarrilamento na estação (O Estado de S. Paulo, 8/7/1933).
(Fontes: Adenilson Souza; Orlando de Barros Barbosa; Trilhos do Rio; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928)
     

Estação de Acari, provavelmente anos 1950. Acervo Trilhos do Rio

A estação em 1962, em uso, mas em péssimo estado. Acervo Ademilson Souza
 
     
     
Atualização: 11.05.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.