A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Camburi
Manuel Ribeiro
Nilo Peçanha
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Maricá (1901 -1943)
E. F. Central do Brasil (1943-1960)
E. F. Leopoldina (1960-1962)
MANUEL RIBEIRO
Município de Maricá, RJ
E. F. Maricá/Ramal de Cabo Frio - km 60,122 (1960)   RJ-1872
Altitude: 5 m   Inauguração: 1901
Uso atual: moradia   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Maricá teve o seu primeiro trecho aberto em 1888, ligando as estações de Alcântara e Rio do Ouro. Em 1889 chegou a Itapeba e somente em 1894 a Marica. Em 1901, chegava a Manuel Ribeiro. Nilo Peçanha, como Presidente da Província do Rio e também da República, conseguiu a união da linha com a Leopoldina na estação de Neves, construída para esse entroncamento, e do outro lado prolongou a linha até Iguaba Grande. Em 1912, entretanto, o capital dos empresários da região acabou e a linha foi vendida à empresa francesa Com. Generale aux Chemins de Fer. Em 1933, o Governo Federal encampou a ferrovia e a prolongou, em 1936, até Cabo Frio, onde se embarcava sal das salinas das praias. Em 1943, a E. F. Marica foi passada para a Central do Brasil. Em fins dos anos 1950, passou para a Leopoldina. Os trens passaram a sair da estação de General Dutra, em Niterói, entrando no ramal em Neves. Em janeiro de 1962, parou o trecho Maricá-Cabo Frio. Em 1964, parou o trecho Virajaba-Maricá. Em 1965, somente seguiam trens de subúrbio ligando Niterói a Virajaba, com o resto do ramal já desativado. A ferrovia foi finalmente erradicada em 31/01/1966.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Manuel Ribeiro foi inaugurada em 1901, quando se prolongou a linha até ela. "Em Manoel Ribeiro localizava-se uma das principais fazendas de Maricá, empregando um enorme contingente de pessoas e desenvolvendo um pequeno núcleo urbano. Nesta localidade era produzida uma grande quantidade de laranja transportada pela ferrovia" (Eduardo Margarit: O resgate da história de uma ferrovia nas escolas da região dos lagos fluminenses, UFF, 2009). Fechada em 1962 com aquele trecho da linha, o prédio existe até hoje, servindo como
"A E.F. Maricá atravessa uma região de terras excelentes, que teve outrora grande importância econômica para a Província do Rio de Janeiro. Somente assim se justificava um pedido de concessão para uma ferrovia em 1885. Com a abolição, as fazendas tão prósperas da zona se transformaram nas ruínas de hoje: seus habitantes não migraram e, dominados pelo desânimo, abandonaram a lavoura e a pecuária, dedicando-se à pouco rendosa indústria da cerâmica e a algumas pequenas lavouras e pomares. Disso resultou o abandono dos canais e obras de defesa contra as inundações, permitindo a formação de pântanos que deixaram a região inabitável. Se o Governo Federal saneá-la, será possível seu completo ressurgimento.A simples limpeza marginal sem a abertura das respectivas barras não produzirá, no entanto, efeitos, pelo contrário, cortará a ligação com os pequenos pântanos, formando focos de malária - como está se verificando. É imprescindível que se reveja isso, para evitar que, como nas zonas não saneadas de Manoel Ribeiro a Bacaxá, a estrada continue com dificuldades em manter seus empregados. Isso diminui muito a produção da região, justamente onde ela começa a se desenvolver, como na estação de Manuel Ribeiro, onde foram plantados extensos laranjais. Nestes centros o saneamento tem sido realizado, em parte, pelos proprietários, como foi feito na fazenda de Manoel Ribeiro e na Usina de Santa Luzia". (Ao lado: resumido do relatório oficial da E. F. Maricá em 1936)
moradia. A estação ficava ao lado esquerdo da antiga rodovia RJ-5, Tribobó-Macaé (1953). "A estação de Manoel Ribeiro, que já se chamou Itapeteiú, continua de pé, às margens da atual RJ-106 servindo como moradia (apesar de estar escrito Cooperativa Agropecuária). A
velha caixa d'água foi adaptada e tornou-se uma residência. Logo após deixar a estação em direção a Cabo Frio, a linha atravessava o rio de mesmo nome da estação. Hoje só o que resta deste pontilhão é uma das cabeceiras camufladas pelo mato. Manoel Ribeiro, segundo o livro A Formação das Estradas de Ferro do Rio de Janeiro, era o local de encontro dos trens que partiam de Cabo Frio e General Dutra (Niterói): 'Em 1959, partia um trem de General Dutra às 6:00h com chegada a Cabo Frio às 15:00h. No mesmo dia partia uma composição de Cabo Frio às 6:45h, com chegada a General Dutra às 13:48h. Os cruzamentos se davam em Manoel Ribeiro" (Cleiton Pierucini, 4/2009).
(Fontes: Luiz Antonio Mathias Netto, 2002; Cleiton Pierucini, 2009; Eduardo Margarit: O resgate da história de uma ferrovia nas escolas da região dos lagos fluminenses, UFF, 2009; Helio Suêvo: A Formação das Estradas de Ferro do Rio de Janeiro, 2005; Estado do Rio de Janeiro: Roteiro Rodoviário Fluminense, 1953, p. 69; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, provavelmente anos 1910. Eduardo Margarit: O resgate da história de uma ferrovia nas escolas da região dos lagos fluminenses, UFF, 2009

A estação em abril de 2009. Foto Cleiton Pierucini

A estação em julho de 2003. Foto Luiz Antonio Mathias Netto
     

   
 
     
Atualização: 27.03.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.