A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Conde de Araruama
Dores do Macabu
Guriri
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Macaé a Campos (1875-1887)
E. F. Leopoldina (1887-1975)
RFFSA (1975-1996)
DORES DO MACABU
Município de Campos, RJ
Linha do Litoral - km 281,754 (1960)   RJ-3583
Altitude: 11 m   Inauguração: 1875
Uso atual: abandonada (2008)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho. A Macaé-Campos, por sua vez, havia constrtuído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim,foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina. O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Dores do Macabu foi inaugurada em 1875, de acordo com o relatório do Presidente da Província do Rio de Janeiro, de 1876. Ainda estava de pé em 2006 e razoavelmente

ACIMA: A estação de Dores de Macabu vista do trem de passageiros, ainda existente em 1982, quando. "o trem que saía de Barão de Mauá às 23 horas rumo a Campos, amnhecia em Dores de Macabu" (Foto Hugo Caramuru, 1982).
conservada, embora descaracterizada e agrupada a novas construções (Ricardo Quinteiro de Mattos, 07/2006). De qualquer forma, em 1993, ainda estava em boas condições, pelo menos externamente. Em 2008, estava já abandonada. Dores de Macabu é um distrito do município de Campos e, pelo visto, não tem muita coisa: "Em Dores de Macabu existe apenas uma praça, pequena, sem atrativos. O sonho da comunidade é que seja construída uma praça com parque para as crianças e quadra esportiva em frente a Igreja de Nossa Senhora das Dores, onde há um grande terreno vago tomado pelo mato. À noite há poucos ônibus e o último que sai de Dores de Macabu, às 22 h, só vai até Ponto da Lama. Com isso, os professores que moram em Campos não têm como voltar para casa" (www.camaracampos.rj.gov.br - Comunidade de Dores de Macabu recebeu a Câmara Itinerante com alegria - 26/11/2007).
(Fontes: Luiz Antonio Mathias Netto; Ricardo Q. Mattos; Hugo Caramuru; CPDOC/FGV; CPDOC/FGVEdmundo Siqueira: Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-79; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, provavelmente anos 1940. CPDOC/FGV

A estação, em dezembro de 1993. Foto Luiz Antonio Mathias Netto

A estação em julho de 2008. Foto Ricardo Q. Mattos

A estação em julho de 2008. Foto Ricardo Q. Mattos
 
     
Atualização: 01.03.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.