A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Caieiras
Franco da Rocha
Baltazar Fidélis
...

SPR-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2016
...
 
São Paulo Railway (1888-1946)
E. F. Santos-Jundiaí (1946-1975)
RFFSA (1975-1992)
CPTM (1992-)
FRANCO DA ROCHA
(antiga JUQUERY)
Municípios de Guarulhos (1888-1889);
Juquery (Mairiporã) (1889-1938);
Franco da Rocha (1938-), SP
Linha-tronco - km 111,260 (1935)   SP-0831
Altitude: 723,002 m   Inauguração: 01.02.1888
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c.1902 (antiga); 2015 (nova)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A São Paulo Railway - SPR ou popularmente "Ingleza" - foi a primeira estrada de ferro construída em solo paulista. Construída entre 1862 e 1867 por investidores ingleses, tinha inicialmente como um de seus maiores acionistas o Barão de Mauá. Ligando Jundiaí a Santos, transportou durante muito anos - até a década de 30, quando a Sorocabana abriu a Mairinque-Santos - o café e outras mercadorias, além de passageiros de forma monopolística do interior para o porto, sendo um verdadeiro funil que atravessava a cidade de São Paulo de norte a sul. Em 1946, com o final da concessão governamental, passou a pertencer à União sob o nome de E. F. Santos-Jundiaí (EFSJ). O nome pegou e é usado até hoje, embora nos anos 70 tenha passado a pertencer à RFFSA, e, em 1997, tenha sido entregue à concessionária MRS, que hoje a controla. O tráfego de passageiros de longa distância terminou em 1997, mas o transporte entre Jundiaí e Paranapiacaba continua até hoje com as TUES dos trens metropolitanos.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Juquery foi aberta em 1888 para atender à localidade desse nome. Segundo se conta, ali já existia antes da construção da estação uma parada, de nome Parada Feijão.

Por volta de 1902, a estação ganhou um novo prédio, com a duplicação da linha.

Em 1934, a estação teve o nome alterado para Franco da Rocha, médico idealizador do hospital da cidade que havia falecido em 1933.

Também em 1934 o local tornou-se um distrito do município de Juqueri.

Em 1938, o distrito separou-se de Juqueri, que, aliás, hoje, tem o nome de Mairiporã.

A estação atende aos trens metropolitanos da CPTM desde 1994. Trens de passageiros de longo percurso deixaram de circular pela linha no início de 1999.

A estação foi tombada pelo CONDEPHAAT em julho de 2010.

Em 2015 foi aberro uma nova estação, maior, moderna e mais funcional, mas a antiga ao lado foi mantida, pois está tombada pelo CONDEPHAAT. O que será feita dela, tombada mas sem uso?
Em 2016, a estação velha estava cercada por muros e cercas de metal, sem uso algum e com acesso proibido.
A estação ferroviária de Franco da Rocha foi tombada pelo CONDEPHAAT em 21 de junho de 2010, pelo ofício 1447/2010 do processo 60305/2009. A carta de comunicação aos interessados foi emitida em 22 de julho de 2010. O tombamento havia sido pedido por mim, Ralph Mennucci Giesbrecht, no ano de 2006. TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros param nesta estação desde o ano de 1867. Veja aqui horários em --- (Guias Levi).
AO LADO: O Doutor Franco da Rocha, foto sem data.

ACIMA: Mapa do município de Franco da Rocha, nos anos 1950, quando o município também englobava Caieiras e, ao norte, Francisco Morato (que não aparece no mapa). Note-se saindo para a direita da estação a E. F. do Juqueri e, para a esquerda, saindo de Caieiras, as linhas da Companhia Melhoramentos (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. X, IBGE, p. 335, 1960). ABAIXO: O centro de Franco da Rocha, com a estação no centro da fotografia: dela gerou-se o núcleo da futura cidade (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. XXVIII, IBGE, p. 328, 1960).


ACIMA: Bons tempos! O trem de passageiros da Cia. Paulista passa por Franco da Rocha, sentido interior, nos anos 1970, puxado por uma English Electric da Santos-Jundiaí (Foto Alberto del Bianco). ABAIXO: Saída da estação, em 11/3/2011 (Foto Alexandre Giesbrecht).

ACIMA: A nova estação sendo construída à direita e a velha funcionando à esquerda: para trocá-las, há que se mudar os trilhos ainda (Foto Carlos Roberto de Almeida, 7/9/2015).

(Fontes: Ralph Giesbrecht, pesquisa local; Alexandre Giesbrecht; Nilson Rodrigues; João Pires Barbosa Filho; Alberto del Bianco; Paulo Mendes; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1960; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação original de Juquery, em 1889. Acervo João Pires Barbosa Filho

Estação de Juquery. Autor e data desconhecidos

A estação, ao fundo. Foto cedida por Nilson Rodrigues, sem data

Trem a vapor deixando a estação de Franco da Rocha, sem data. Acervo Alberto del Bianco

A estação em 1967. Acervo Paulo Mendes

Detalhes da plataforma da estação, 1988. Autor desconhecido

Estação de Franco da Rocha, sem data. Autor desconhecido

Plataforma da estação em 11/3/2011. Foto Alexandre Giesbrecht

Plataforma da estação em 11/3/2011. Foto Alexandre Giesbrecht
     
Atualização: 31.10.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.