A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Júlio Prestes
Barra Funda-EFS (1951-88)
Barra Funda-Fepasa/CPTM (1988-)
...

Tronco EFS-1935

Guia SP-1995
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2014
...
 
E. F. Sorocabana (1930-1971)
FEPASA (1971-1994)
CPTM (1994-)

JÚLIO PRESTES (antiga SÃO PAULO)

Município de São Paulo, SP
Linha-tronco - km 0   SP-0550
Altitude: 737 m   Inauguração: 1938
Uso atual: estação de trens metropolitanos e sala de concertos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1938
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: Em 1920, os relatórios da Sorocabana já alertavam para a necessidade de um novo prédio: "A E. F. Sorocabana necessita ter em São Paulo uma estação que, satisfazendo ás necessidades do publico, não quebre a harmonia das demais construcções da principal cidade do Estado. A actual, além de exígua, o que prejudica o movimento de passageiros e encarece os demais serviços, é um mesquinho edifício que desdoura a nossa Capital". A construção do novo prédio demorou mais de dez anos, iniciando-se em 1926 e sendo inaugurada somente em 15/10/1938, projetado pelo arquiteto Christiano das Neves. Entretanto, é sabido que, em 1930, com a conclusão da área das plataformas, o embarque passou a ser feito na estação ainda longe de ser acabada, desativando a estação de 1914, ao seu lado. Houve até uma inauguração formal no dia 13 de maio desse ano (1930), com a presença do presidente (governador) do Estado, Júlio Prestes, que, aliás, nomearia a estação 21 anos depois. Manteve o nome das estações anteriores, São Paulo. Portanto, a estação realmente

ACIMA: A gare da estação de Julio Prestes, em 2008 (Foto Mateus Cussioli). ABAIXO: A estação vista do alto, em 2008. No canto superior esquerdo, a gare de onde saem hoje os trens da CPTM e no passado saíam os trens da Sorocabana. Ao fundo, as linhas da ex-Santos a Jundiaí, lotadas de trens da CPTM que correm na linha Luz-Jundiaí. A estação da Luz não aparece na foto e está à direita, bem como está também à direita, antes da Luz, o prédio da estação da EFS entre 1914 e 1930 que funcionou depois como DOPS, podendo-se ver um pequenino pedaço dele no canto direito inferior (Autor desconhecido).
começou a operar para passageiros nesse dia, sendo que a gare (extremidade do lado da alameda Cleveland) já era preticamente do aspecto que ainda hoje o tem. Novamente foi ela inaugurada em 1938, como visto acima, agora com todo o prédio inteiramente

Julio Prestes, em 1918
pronto. Veja a inauguração em notícia do Correio Paulistano, edição de 18/10/1938 - página 1 e página 2. Somente a partir de 1951 é que o nome Júlio Prestes foi adotado. Curiosamente, este havia sido o nome, por curto tempo (1948-1951) dado à estação de Canguera, na linha Mairinque-Santos. A parte da plataforma da estação Júlio Prestes, situada à sua esquerda, hoje serve apenas como ponto de partida dos trens da CPTM. Para trens de passageiros de longa distância, a estação deixou de ser ponto de partida em 1988, quando os trens da antiga Sorocabana foram transferidos para ter
partida na estação nova da Barra Funda, aberta nesse ano. Os seus escritórios, depois de abrigarem por anos a sede da Sorocabana, e depois da FEPASA, passaram em 1997 a abrigar a Secretaria de Estado da Cultura. Em 09/07/1999, depois de uma reforma de dois anos, seu amplo saguão passou a abrigar a Sala
"Para quem se lembra, na estação Julio Prestes o ritual era mais ou menos assim: Cerca de 5 minutos antes da partida do trem de longo percurso, a campainha era acionada por cerca de 15 segundos. Dois minutos após vinha o segundo aviso, desta vez com dois toques. E no momento da partida, o terceiro aviso com três toques. Então o chefe do trem colocava em funcionamento seu apito liberando de vez o trem. Aí, o maquinista acionava a buzina e iniciava a corrida. E quando era um dos trens longos com até 25 carros? O chefe e seus ajudantes iam passando o apito até chegar o som na locomotiva. Atualmente, nos trens da Vale, a autorização para partida é enviada ao maquinista via rádio. A Sorocabana, ao contrário da Paulista, SPR etc., sempre usou dois apitos do chefe, repetidos pelo maquinista, para a partida, claro, após o toque do sino ou campainha da chefia da estação" (Carlos Almeida, 2009 e Coaraci Camargo, 2009).
São Paulo, com 1.509 lugares e mil metros quadrados, para abrigar a Orquestra Sinfônica de São Paulo. A sua plataforma continua ativa, mas com os dias contados: esteve prevista a sua desativação para 2004. Estamos em 2011 e ela ainda continua com seus trens, graças a Deus. "Para aqueles que gostam de via permanente, desculpem-me se já conhecem esta informação, mas na lateral externa da gare
da estação Julio Prestes existe ainda uma via singela, em bitola métrica , fixada com dormentes metálicos.Esta via não está conectada com a via principal que sai da gare, bloqueada que está por um jardinzinho de chefe de estação. A linha é a única que sobrou do patio externo da gare de Julio Prestes, e que certamente terminava na segunda estação da EFS, depois o terrível DEOPS" (Ayrton Camargo da Silva, 01/2007). Na verdade, os três últimos prédios que serviram de ponto inicial dos trens da Sorocabana, desde 1904, estavam em pontos diferentes, sempre na rua Mauá. Os três prédios conviveram lado a lado até 1979, quando a estação mais antiga foi demolida, mesmo sob protestos de preservacionistas. (VER TAMBÉM: São Paulo (original); São Paulo-nova)
(Fontes: Ralph Mennucci Giesbrecht, pesquisa local; Coaraci Camargo; Carlos R. Almeida; Ayrton Camargo da Silva; Antonio Soukhef; Lourenço Paz; Lucas Cortopassi; Mateus Cussiolli; A Cigarra, 1930; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1872-1969; Folha de S. Paulo, 13/5/1930; Revista da Semana, 1924; Livro dos 90 anos da EFS, 1960; O Estado de S. Paulo, 1998; Revista Ferroviária, 2001; Guias Levi, 1932-80; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1930 - somente a gare estava pronta e funcionando nesse ano. Autor desconhecido

A estação no dia se sua primeira inauguração em 1930. A Cigarra, 2a quinzena de maio de 1930

A estação Júlio Prestes, em 1998, antes da reforma que a transformou em teatro. Foto do jornal O Estado de S. Paulo

A estação Júlio Prestes, já reformada como Sala São Paulo, em 2001. Foto da Revista Ferroviária promovendo a exposição anual
     
Atualização: 18.11.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.