A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
São Paulo-nova
Barra Funda-EFS
...

Tronco EFS-1935

Guia SP-1995
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2016
...

 
Sorocabana Railway (1914-1919)
E. F. Sorocabana (1919-1930)

SÃO PAULO-NOVA

Município de São Paulo, SP
Linha-tronco - km 0 (1925)   SP-3901
Altitude: 737 m   Inauguração: 1914
Uso atual: Memorial da Resistência (2017)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1914
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: Em 1914, a nova estação de São Paulo, da Sorocabana, passou a ocupar o prédio construído pelo escritório de Ramos de Azevedo e entregue nesse ano, construído para ser o escritório e armazém da ferrovia. Conforme o relatório da Sorocabana desse ano, seria uma "estação provisória": ou seja, funcionaria enquanto não se construísse a definitiva.

Há informações que dizem que as plataformas de embarque e desembarque de passageiros, na verdade, se estendiam pela estação original, a seu lado.

Em 1930, com a construção, do outro lado em relação à estação primitiva, da estação que mais tarde seris chamada de Júlio Prestes, o prédio foi desativado como estação.

Ele foi ocupado mais tarde pelo DOPS e serviu de prisão e local de tortura durante o período militar (1964-1985).

Nos anos 1990, com a desativação do órgão, serviu como escritórios da Delegacia do Consumidor - DECON. De 1998 a 2002, foi feita a restauração total do prédio, para abrigar a Escola Superior de Música. (VER TAMBÉM: São Paulo (original); Júlio Prestes)

ACIMA: A "nova gare" da Sorocabana em fase de construção em 1912. A "velha" está à esquerda e não aparece na foto (Illustração Paulista, 1912).

AO LADO: Baldear da estação da Sorocabana para a da Luz é duro hoje, imaginem então em 1916, há cem anos, quando você ainda tinha de esperar e carregar malas para fazer o percurso... (O Estado de S. Paulo, 22/2/1916).

ACIMA: As três estações: a primeira, hoje um terreno vazio e cercado por um muro pichado; a segunda, atualmente museu e Escola de Música; e a terceira, Julio Prestes, da qual se vê somente o torreão (Foto Ralph M. Giesbrecht em 28/10/2016).

(Fontes: Ralph Mennucci Giesbrecht, pesquisas locais; Ayrton Camargo da Silva; Lourenço Paz; Lucas Cortopassi; Antonio Soukhef; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais; Guias Levi, 1932-80; O Estado de S; Paulo, 1916; Revista da Semana, 09/08/1924; Illustração Paulista, 1912; EFS: Livro dos 90 anos, 1960; O Estado de S. Paulo; Revista Ferroviária)
     

A estação de 1914, servindo como tal, em julho de 1924, durante a revolução, com as tropas à sua frente. Foto da Revista da Semana, de 09/08/1924

O prédio do antigo DOPS, estação de 1914 até os anos 30, reformado em 2002.
Foto Lucas Cortopassi

O prédio do antigo DOPS, estação de 1914 até os anos 30, reformado em 2002. Foto Lucas Cortopassi
     
     
Atualização: 16.01.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.