A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Braz Cubas
Mogi das Cruzes
Estudantes
...

ram. S. Paulo EFCB-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2009
...
 
E. F. do Norte (1875-1890)
E. F. Central do Brasil (1890-1975)
RFFSA (1975-1994)
CPTM (1994-2013)
MOGI DAS CRUZES
Município de Mogi das Cruzes, SP
Ramal de São Paulo - km 450,320 (1928)   SP-2347
    Inauguração: 06.11.1875
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1984
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cacheoira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Mogi das Cruzes foi aberta em 1875, numa cidade que já existia desde o século XVI. Em 16/09/1929, foi inaugurado um novo prédio, com apenas duas plataformas. Nessa

ACIMA: De acordo com o Arquivo Histórico de Mogi das Cruzes, esta foto mostraria a locomotiva "Baroneza" ao chegar a Mogi das Cruzes trazendo o Presidente da República, Affonso Penna, em 1909. Na verdade, a foto deve ser de 1954, quando essa locomotiva veio para São Paulo nas comemorações do IV Centenário. Affonso Pena já estava morto havia muito. A "Baroneza" foi uma das primeiras locomotivas a andar no Brasil, exatamente na primeira das linhas, a Porto da Estrela-Raiz da Serra, em Magé, RJ, em 1854 (Arquivo Histórico Municipal de Mogi das Cruzes).

época, Mogi já era extremidade da linha de subúrbios da Central em São Paulo. Em 1956, foi ampliada a estação (com uma plataforma estilo da estação Roosevelt), e reinaugurada em 15/03/1958. Em 1960, com os trens da extinta Central do Brasil, a cidade não estava nem um pouco satisfeita com o transporte: "No setor do transporte coletivo, a Central do Brasil, que conta com cinco estações dentro do município (em 1960), serve a um contingente apreciável de operários e estudantes que fazem o caminho Mogi das Cruzes-São Paulo, pagando Cr$ 3,00 para viajar nos demorados e malcheirosos carroções atados a mais de duas dezenas de trens suburbanos diários" (Revista Brasileira de Geografia, out-dez 1960, p. 576). Em 1984 a RFFSA demoliu a estação quando inaugurou o novo prédio (o atual) em 20 de agosto, com mais três plataformas e ampliação das

AO LADO: O jornal descreve em 1955 como era uma viagem pelo trem da Central do Brasil ligando a Capital paulista a Mogi das Cruzes (Folha da Manhã, 11/9/1955).

TRENS - De acordo com os guias de horários e outras fontes, os trens de passageiros param nesta estação desde 1875 até hoje. Veja aqui horários em xx (Guias Levi).

Quando foi entregue a primeira estação de Mogi das Cruzes? A original, de 1875, era um casebre de madeira, de acordo com os relatórios da EFSP-RJ para o Presidente da Província. Pelos mesmos relatórios sabe-se que a primeira estação de alvenaria (teria sido a que sobreviveu até 1984, vista nas fotos abaixo?) foi concluída no final de 1879.
duas existentes. Desde 1976, não era mais a ponta da linha de subúrbios, que segue até Estudantes, aberta nesse ano de 1976 para atender à Universidade da cidade. A estação atende hoje aos trens metropolitanos da CPTM. Em 2009, discutiu-se a retirada dos trens da CPTM para serem substituídos por VLTs a partir de Suzano. O absurdo não vingou.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Benedito dos Anjos; Carlos Roberto de Almeida; William Gimenez; Astrea M. Giesbrecht; Relatório do Presidente da Província para 1879, 1880; IBGE: Revista Brasileira de Geografia, 1960; O Diário de Mogi, 2009; Arquivo Histórico Municipal de Mogi das Cruzes; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; E. F. Central do Brasil: Relatórios oficiais, 1920-1930; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Mogi das Cruzes, 1920. Foto do arquivo de Benedito dos Anjos

Estação de Mogi das Cruzes, 1920. Foto do arquivo de Benedito dos Anjos

A estação em 1940. Foto do arquivo de Benedito dos Anjos

Plataformas antigas da estação, sem data. Foto do arquivo de Benedito dos Anjos

Em 1960, a primeira viagem do trem Alvorada, da linha de subúrbios da EFCB. Autor desconhecido

Plataformas da estação de Mogi, anos 1990. Foto cedida por William Gimenez

Plataforma da estação de Mogi em 24/09/2000. Foto Ralph M. Giesbrecht

Fachada da estação de Mogi em 02/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

O trem partindo da estação de Mogi, À esquerda, para Estudantes, em 02/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

O trem turistico SP-Mogi da CPTM na plataforma da estação de Mogi em 7/3/2010. Foto Carlos Roberto de Almeida
   
     
Atualização: 29.03.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.