A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Guaiçara
Promissão
Capituva
...

Tronco NOB - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Noroeste do Brasil (1908-1975)
RFFSA (1975-1996)
PROMISSÃO
(antiga HECTOR LEGRU)
Municípios de Bauru (1908-1913);
Penápolis (1913-1924);
Promissão (1924-), SP
Linha-tronco - km 164,060 (1949)   SP-2738
Altitude: 415 m   Inauguração: 16.02.1908
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 15.08.1970
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil foi aberta em 1906, seguindo a partir de Bauru, onde a Sorocabana havia chegado em 1905, até Presidente Alves, em setembro de 1906. Em janeiro de 1907 atingia Lauro Müller, em 1908 Araçatuba e em 1910 atingia as margens do rio Paraná, em Jupiá, de onde atravessaria o rio, de início com balsas, para chegar a Corumbá, na divisa com a Bolívia, anos depois. O trecho entre Araçatuba e Jupiá, que até 1937 costeava o rio Tietê em região infestada de malária, foi substituído nesse ano por uma variante que passou a ser parte do tronco principal, enquanto a linha velha se tornava o ramal de Lussanvira. Em 1957, a Noroeste passou a fazer parte da RFFSA. Transportou passageiros até cerca de 1995, quando esse transporte foi suprimido. Em 1996, a RFFSA deu a concessão da linha para a Novoeste, que transporta cargas até hoje.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi aberta em 1908 perto da fazenda Patos e o seu nome original, Hector Legru, homenageava um banqueiro francês, mas muitas vezes citado como belga, o que não
À esquerda, o telegrama recebido de Santa Cruz (do Avanhandava), lugarejo próximo à estação de Hector Legru e datado de 2 de julho de 1910, publicado no O Estado de S. Paulo do dia 3/7/1910 falando sobre a morte de Cristiano Olsen num ataque dos índios Coroados.
TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1908 a 1993. Veja aqui horários em 1948 (Guias Levi).
corresponde à verdade. Ele foi um dos financiadores da primitiva Noroeste do Brasil, pessoa que jamais esteve na região e mesmo no Brasil; mas a falta de nomes para uma estação no meio da floresta virgem e a bajulação da época levaram à sua escolha. Era um dos maiores sócios do famoso
Percival Farquhar e trabalhava também com Teixeira Soares nas especulações de vendas e compras de concessões ferroviárias. Existiu uma outra estação com o mesmo nome do banqueiro, em

ACIMA: Na estação velha de Promissão, em 1959, o trem de passageiros da Noroeste aguarda na plataforma (Foto Edison Milani). ABAIXO: O fim ainda não havia chegado, e em 1975 funcionários da Noroeste posavam orgulhosos na plataforma da estação nova de Promissão (Foto do jornal O Avaiense, edição de junho de 2008).
Santa Catarina, que também teve o nome alterado (hoje se chama Engenheiro Eugênio de Mello, na linha da antiga E. F. São Paulo-Rio Grande). Perto dessa estação, em 1910, ocorreu um dos maiores ataques dos índios Caingangues contra os operários da Noroeste,

ACIMA: O jornal mostra a reportagem (que pode ser vista inteira clicando sobre a foto acima) sobre a mudança de nome da estação (que ainda era um bairro de Penapolis) em 1921 (A Noite, 24/10/1921).
onde vários deste últimos morreram. "No km 178, a estação de Hector Legru, onde nas proximidades foi fundada pela Comissão da Catequese um aldeamento para os índios que expontaneamente ali se recolheram, abandonando o mato; e logo mais adiante, a linha férrea deixa a sona da mata que vinha atravessando desde o rio Batalha, para entrar nos campos férteis do Avanhandava" (Breve Histórico sobre a E. F. Noroeste do Brasil, Sylvio Saint Martin, junho de 1913). Por volta de 1922, o prédio original da estação deu

ACIMA: Mapa de Promissão por volta de 1973, mostrando o leito da ferrovia antiga e já abandonado (em cruzes, no lao esquerdo do mapa e passando por dentro da zona urbana) e o da ferrovia atual (à direita do mapa, mais retilíneo e como um traço cortado por pequenas barras) (IBGE, 1973).
lugar a um mais novo, já de alvenaria. Em outubro de 1921, o seu nome já havia sido alterado para Promissão, na verdade uma homenagem aos caingangues - agora, dez anos depois de terem, assassinado uma série de trabalhadores - e uma resposta a um senhor que jamais havia pisado naquele local. Em 15 de agosto de 1970, a linha, com a construção da variante Lins-Araçatuba, foi retirada do local original e uma nova estação foi aberta em local fora da cidade. Após a desativação, nos anos 1990, serviu de moradia e foi se deteriorando. Hoje está abandonada. A estação velha desativada em 1970 é hoje a sede da Câmara Municipal.
(Fontes: José H. Bellorio; Edison Milani; Daniel Gentili; O Estado de S. Paulo, 1910; Sylvio Saint Martin: Breve Histórico sobre a E. F. Noroeste do Brasil, 1913; A Noite, 1921; O Avaiense, junho de 2008; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; IBGE, 1973; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht).
     

A estação, em 1919. Foto cedida por José H. Bellorio

Estação de Hector Legru, c. 1920. Ainda era o prédio original, de madeira. Arquivo Ralph M. Giesbrecht

A segunda estação, em 1922. Foto cedida por José H. Bellorio

A estação nova de Promissão, a terceira, em outubro de 1979. Foto José H. Bellorio

A estação nova de Promissão, em outubro de 1979. Foto José H. Bellorio

A estação nova de Promissão, em maio de 2001. Foto José H. Bellorio

A estação nova em 23/5/2009. Foto Daniel Gentili

A estação velha em 23/5/2009. Foto Daniel Gentili
 
     
Atualização: 03.04.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.