A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Mapa
Itararé-Uruguai


De 1905/08 a 1917
:
Paula Freitas
União da Vitória
Eng. Eugênio de Mello
...
De 1917 a 1942:
Paula Freitas
União da Vitória
Porto União
...

IBGE - 1960
...

Itararé-Uruguai, PR- 1965
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2008
...

 
C. E. F. São Paulo-Rio Grande (1917?-1942)
UNIÃO DA VITÓRIA
Município de União da Vitória, PR
linha Itararé-Uruguai - km 515,960 (1936)   SC-4110
Altitude: 516 m   Inauguração: 1917?
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1917? (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Itararé-Uruguai, a linha-tronco da RVPSC, teve a sua construção iniciada em 1896 e o seu primeiro trecho aberto em 1900, entre Piraí do Sul e Rebouças, entroncando-se em Ponta Grossa com a E. F. Paraná. Em 1909 já se entroncava em Itararé, seu quilômetro zero, em São Paulo, com o ramal de Itararé, da Sorocabana. Ao sul, atingiu União da Vitória em 1905 e Marcelino Ramos, no Rio Grande do Sul, divisa com Santa Catarina, em 1910. Trens de passageiros, inclusive o famoso Trem Internacional São Paulo-Montevideo, este entre 1943 e 1954, passaram anos por sua linha. Os últimos trens de passageiros, já trens mistos, passaram na região de Ponta Grossa em 1983. Em 1994, o trecho Itararé-Jaguariaíva foi erradicado. Em 1995, o trecho Engenheiro Gutierrez-Porto União também o foi. O trecho Porto União-Marcelino Ramos somente é utilizado hoje eventualmente por trens turísticos de periodicidade irregular e trens de capina da ALL. O trecho Jaguariaíva-Eng. Gutierrez ainda tem movimento de cargueiros da ALL.
 
HISTÓRICO DA ESTAÇÃO: Os trilhos da E. F. São Paulo-Rio Grande chegaram a União da Vitória, no Paraná, exatamente no dia 26 de fevereiro de 1905. Eram, então, o ponto terminal da linha, que deveria se estender até o Rio Grande do Sul. O que existia ali era apenas uma estação provisória, em terras do Coronel Amazonas Marcondes, na margem direita do rio Iguaçu, onde hoje é o bairro de São Cristóvão, chamada de Porto da União, nome derivado do nome da cidade em alguns mapas da época, Porto da União da Vitória.

A 7 de outubro desse mesmo ano, a Câmara Municipal cedia por lei à ferrovia uma área de terreno com 43.540 m2 no largo Visconde de Guarapuava para a construção da segunda estação e dependências necessárias, prevendo a inauguração da ponte sobre o rio Iguaçu, o que veio a ocorrer no dia 26/11/1906, para continuar a linha em direção ao sul. A segunda estação viria a ser construída e aberta logo depois, ao sul do Iguaçu (margem esquerda), e, pelas descrições, a nova estação de passageiros ficava na margem leste da linha, enquanto do outro lado da linha, pouco antes, bem próximo, ficava o armazém de cargas. Nessa época a cidade estava toda ela em território paranaense.

Poucos anos mais tarde, irrompeu a chamada Guerra do Contestado, que se prolongou até 1916, no final da qual foram finalmente acertadas todas as questões de limites entre os dois Estados. A cidade de União da Vitória foi dividida com o Estado de Santa Catarina, e a parte deste estado, promovida a sede de um novo município, Porto União. A divisa corria na parte leste pelo rio Iguaçu, no centro, área urbana, pela linha férrea (que passava pela rua Visconde de Nácar) e a oeste, por fronteira seca.

Em 1917, a linha do São Francisco, cuja construção se iniciara em 1906 do lado desse porto, finalmente atingiu a Porto União catarinense; as cidades passaram a ser um entroncamento dos mais importantes. Ainda existem dúvidas: a nova estação de 1906, construída do outro lado da ponte quando esta ficou pronta, desativando aquela primeira, de 1905, chamava-se como? Ainda Porto da União, ou, como estava na cidade de União da Vitória, tinha o nome da cidade? Fosse qual fosse o nome, foi esta a estação que depois se chamou Porto União, ficando do lado catarinense.

Em 1917, como passou a haver duas cidades, apareciam duas estações, cada uma com o nome de cada cidade. Outra estação, com o nome de União da Vitória, surgiu depois dessa divisão. Ela se diferenciava da já existente por estar do outro lado da linha (oeste) e por ter um andar apenas, sendo também de madeira, como a outra.

Nos boletins da RVPSC dos anos 1930, aparecem já duas estações, muito próximas - tão próximas que o trem saía da de União da Vitória e chegava à de Porto União em dois minutos; fotos da época mostram uma estação a leste da linha, chamada Porto União, nome da nova cidade catarinense e outra com o nome de União da Vitória, esta do lado paranaense e situada mais próxima à ponte.
Primeiro o trem parava nesta e depois na outra... A de União da Vitória seria mais para cargas e encomendas e a de Porto União, para passageiros, segundo historiadores locais.

Até que, em 1942, foi entregue pela RVPSC um novo pátio ferroviário com uma estação que atendia aos dois lados da linha, em municípios e estados diferentes: ambos os lados eram iguais e cada entrada tinha o nome de cada cidade. As duas estações anteriores foram demolidas. A nova estação ficava ao sul dos dois antigos prédios, bem próximo da mais ao sul, a de Porto União. Todas as antigas instalações foram demolidas e as novas instalações (oficinas, depósitos) foram construídas fora da cidade (na época), mais ao sul ainda.

(Veja também PORTO UNIÃO e PORTO UNIÃO DA VITÓRIA)


1922
AO LADO:
Abastecimento de água na estação (O Estado de S. Paulo, 22/3/1922).

ACIMA: A nova estação, que se chamaria União e depois Porto União da Vitória, começa a ser construída. O ano é provavelmente 1938. Em primeiro plano, as fundações da estação nova. Ao fundo, do lado direito da linha (Santa Catarina), a estação de Porto União. Mais ainda ao fundo, com o dístico em destaque, a estação de União da Vitória, do lado esquerdo da linha, lado do Paraná. Esta foto mostra que, ao contrário do que se afirma, a estação nova não ficou a meio caminho das duas antigas, mas sim, mais à frente na linha, sentido sul (Foto acervo Irene Rucinsky).

Até o início da década de 1940, havia a inexplicável existência de duas estações ferroviárias distantes uma da outra poucos metros, servindo distintamente a estas cidades. Trens chegavam e partiam transportando passageiros e cargas das duas estações. Uma inconveniência: parar duas vezes na mesma comunidade... . As pessoas desciam em União da Vitória e hospedavam-se em Porto União, as cargas descarregadas em Porto União eram entregues em União da Vitória... Através dos anos ficou evidenciada, tanto pelo governo federal quanto pelo estadual, a importância desse entroncamento ferroviário e, em 15 de agosto de 1942, é inaugurado um conjunto de obras incluindo aí a estação de passageiros.

AO LADO: Texto: Profa. Terezinha Leony Wolff.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Nilson Rodrigues; Terezinha Wolff; Irene Rucinski; Roberto Domit de Oliveira; Altamiro Lisboa; Rodrigo Cunha; Paulo Szabadi; IHGE Paranaense: Boletim, 1976; RVPSC: relatórios anuais, 1936 e 1942; Guia Levi, 1932-79)
     

A estação primitiva de Porto da União em 1905. Esta estação não tinha o nome da cidade (que era uma só de nome União da Vitória) e ficava ao norte do rio Iguaçu. Foto do livro Boletim do IHGE Paranaense, 1976

Estação de Porto União, ao fundo. Mais ao fundo ainda, a estação de União da Vitória. Em primeiro plano, obras da fundação da nova estação. A foto deve datar mais ou menos de 1938. À direita, praça Hercilio Luz, em Porto União. Foto acervo Irene Rucinsky

A estação de União da Vitória, anos 1930. Foto atribuída a Arthur Wischral, acervo Nilson Rodrigues
     
     
Atualização: 14.09.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.