A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Rio Grande da Serra
Ribeirão Pires
Guapituba
...

SPR - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2010
...
 
São Paulo Railway (1885-1947)
E. F. Santos-Jundiaí (1947-1975)
RFFSA (1975-1994)
CPTM (1994-2011)
RIBEIRÃO PIRES
Município de Ribeirão Pires, SP
Linha-tronco - km 45,500 (1935)   SP-2266
    Inauguração: 01.03.1885
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: anos 1890
 
 
HISTORICO DA LINHA: A São Paulo Railway - SPR ou popularmente "Ingleza" - foi a primeira estrada de ferro construída em solo paulista. Construída entre 1862 e 1867 por investidores ingleses, tinha inicialmente como um de seus maiores acionistas o Barão de Mauá. Ligando Jundiaí a Santos, transportou durante muito anos - até a década de 1930, quando a Sorocabana abriu a Mairinque-Santos - o café e outras mercadorias, além de passageiros de forma monopolística do interior para o porto, sendo um verdadeiro funil que atravessava a cidade de São Paulo de norte a sul. Em 1946, com o final da concessão governamental, passou a pertencer à União sob o nome de E. F. Santos-Jundiaí (EFSJ). O nome pegou e é usado até hoje, embora nos anos 70 tenha passado a pertencer à RFFSA, e, em 1997, tenha sido entregue à concessionária MRS, que hoje a controla. O tráfego de passageiros de longa distância terminou em 1995, mas o transporte entre Jundiaí e Paranapiacaba continua até hoje com as TUES dos trens metropolitanos.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Ribeirão Pires foi aberta em 1885. Em torno da estação, criou-se, em 1887, a Colônia dos Imigrantes Italianos. "Os habitantes fazem uma subscrição para levantar uma igreja e pedem ao encarregado do núcleo para que interceda junto ao Inspetor de Terras e Colonização para a obtenção de um terreno na sede do núcleo. A resposta não se fez tardar: é indicado um terreno próximo à linha de ferro, já destinado a logradouro publico. De um relatório do encarregado do núcleo colonial de Ribeirão Pires: "de janeiro a maio de 1890 foram abertas diversas ruas no núcleo colonial, feito aterro nos brejos, limpeza de ruas já existentes, usando para isso o serviço de 93 trabalhadores, inclusive menores, entre colonos e empregados". Concluído o serviço da estrada de interligação entre Ribeirão Pires e Moji das Cruzes. O encarregado do Núcleo Colonial de Ribeirão Pires sugere a construção de uma nova estrada, de interligação entre os núcleos coloniais de Ribeirão Pires e São Bernardo. A agência do correio de Ribeirão Pires é criada em maio de 1890. A notícia saiu publicada no jornal Correio Paulistano, de São Paulo, edição de 11-05-1890. Em artigo de fundo, publicado em sua edição de quinta-feira, 24-07-1890, o Diário Popular faz uma abordagem geral do que chama de bairros salubres da Capital. O artigo refere-se às estações da estrada de ferro entre Santo André e Rio Grande da Serra, nos seguintes termos: "(...) existem nas proximidades da cidade (São Paulo) bairros salubres, como a estação de percurso da linha inglesa, como Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Pilar (depois Mauá), São Bernardo (depois Santro André) especialmente, que se tornam tão notáveis pela aproximidades de São Paulo e pela beleza de sua situação, como por suas condições muito especiais de salubridade (...)". Feita a descrição, o articulista acusa a existência de um único trem de passageiros por dia entre a região de São Paulo. Pior: o trem chega de São Paulo ao meio-dia e retorna às 15 hs, deixando pouco tempo para que os moradores de Ribeirão Pires e outras localidades resolvam seus negócios na Capital. O articulista pede mais trens, ou então que se coloque um vagão de passageiros junto aos trens de cargas, estes sim, já bem mais numerosos naquele tempo. Dois dias depois, em novo artigo, o mesmo Diário Popular informa que, a partir de 1º de agosto, haverá um trem
A estação ferroviária de Ribeirão Pires foi tombada pelo CONDEPHAAT em 21 de junho de 2010, pelo ofício 1420/2010 do processo 60313/2009. A carta de comunicação aos interessados foi emitida em 22 de julho de 2010. O tombamento havia sido pedido por mim, Ralph Mennucci Giesbrecht, em 2006. TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros param nesta estação desde o ano de 1885. Veja aqui horários em --- (Guias Levi).
para conduzir moradores de Ribeirão Pires e região a São Paulo, pela manhã, com retorno à tarde. A São Paulo Railway dá uma outra boa notícia: aos domingos, um trem conduzirá passageiros de São Paulo até a região pela manhã, retornando à tarde e propiciando ao paulistano momentos de lazer no campo, "benefício moral e físico do qual desfrutamas populações das grandes cidades do mundo". Núcleo Colonial de Ribeirão Pires ganha um levantamento pormenorizado das famílias com lotes urbanos, rurais e chácaras no lugar. Um livro-tombo, personalizado, específico para Ribeirão Pires, é aberto para o levantamento. O pesquisador anota os nomes dos habitantes de cada lote e registra os dados de cada membro da família, idade, local de nascimento, data da chegada ao Brasil, profissão, se têm ou não instrução, se residem ou não em Ribeirão Pires. Varias famílias possuem lotes em Ribeirão Pires, mas residem em São Paulo. Outros não têm seus paradeiros definidos. Alguns têm urbanos e rurais, residindo num ou noutro. Vários acabam de plantar uva que não sobreviveria. Alguns lotes estão roçados e prontos para receber plantações. Alguns colonos adquiriam tijolos para a construção de suas casas (Notícias do Núcleo Colonial de Ribeirão Pires, 1890 - site www.historiaearte.net/ribeirao). A vila cresceu bastante e se tornou município em 1953. Assim como a de Rio Grande da Serra, a estação de Ribeirão Pires ainda é a mesma do início do século. Hoje (2010) atende aos trens metropolitanos da CPTM.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; João Carlos R. Pinto; www.historiaearte. net/ribeirao: Notícias do Núcleo Colonial de Ribeirão Pires, 1890; Wanderley dos Santos: Antecedentes Históricos do ABC Paulista, 1992; www.historiaearte.net/ribeirao; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação em 1956. Foto da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958
Estação de Ribeirão Pires, em 6/3/2001. Foto Ralph M. Giesbrecht


Estação de Ribeirão Pires, em 6/3/2001. Foto Ralph M. Giesbrecht


A estação em 11/2006. Foto João Carlos R. Pinto
   
     
Atualização: 07.09.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.