A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Estações de Minas Gerais
...
RMV-Cruzeiro-Juréia
...
Pontalete
Josino de Brito
Fama
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Minas e Rio (1909-1910)
Rede Sul-Mineira (1910-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1966)
JOSINO DE BRITO
Município de Campos Gerais, MG
Linha Cruzeiro-Juréia - km 272,121 (1960)   MG-2757
Altitude: 756 m   Inauguração: 11.03.1909
Uso atual: submersa   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1927
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Cruzeiro-Tuiuti (depois Juréia) era originalmente parte da E.F. Muzambinho, que iniciou as atividades em 1887, entre Três Corações e Muzambinho, e parte da E. F. Minas e Rio, que operava o trecho Cruzeiro-Três Corações desde 1884, e que em 1908 incorporou a Muzambinho. Em 1910, esta foi uma das formadoras da Rede Sul-Mineira, que por sua vez formou a Rede Mineira de Viação, em 1931. Em 1965 esta formou a Viação Férrea Centro Oeste e foi finalmente transformada em divisão da Refesa em 1971. Na linha que unia a estação de Cruzeiro, no ramal de São Paulo da EFCB, a Juréia, terminal do ramal de Juréia, da Mogiana, o trecho final entre esta estação e Varginha já não tem mais seus trilhos. Os trens de passageiros foram suprimidos em 1966 entre Varginha e Juréia e em 1983 entre Cruzeiro e Três Corações. De 1997 ao fim de 2001, operaram trens turísticos da ABPF a vapor entre Cruzeiro e Passa-Quatro e hoje esses trens trafegam entre o túnel (Estação Cel. Fulgencio) e Soledade de Minas. Cargueiros da FCA utilizaram a linha Três Corações-Varginha até cerca de 2010.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Josino de Brito foi inaugurada em 1909, depois da compra da E. F. Muzambinho pela E. F. Minas e Rio, e o seu nome homenageava o Dr. Josino de Paula Brito, médico e senador estadual mineiro.

"Em 1961 a represa de Furnas cobriu toda a cidade. Exatamente 27 metros de água sobre a 'velha Fama'. A cidade foi reconstruída ao redor, mas as memórias e a história de Fama certamente ficaram sepultadas. (...) Suas companheiras, Espera, Josino de Brito, Pontalete, Guapé, São José da Barra e outros trinta municípios tiveram a mesma sina. (...) O rio Sapucaí é hoje um lago quieto, soturno. (...) Ah, represa de Furnas... Não foram por água abaixo apenas algumas cidades do sul de Minas. Afogaram com ela todas as tardes, todas as lembranças, nossas saudades, os risos, vozes queridas. (...) Para nós este lago é só uma imensa lápide de uma cidade que amávamos. Lápide escura, sem nome, data, inscrição e flores" (Isa Musa de Noronha, Uma Vida na Linha, 2005).

"Eu só conheço o local onde ela ficava, pois ela foi desativada antes de eu ter nascido. Hoje, no período de inverno, a represa de Furnas baixa bastante e é possível ver os seus restos, como ruinas de construções, pedaços de cerâmica e coisas do tipo. Eu moro bem perto, e sempre que posso vou até lá. Ainda há restos da ponte perto de Fama, apesar de terem tentado destruí-la; não conseguiram totalmente. No último inverno eu fui até essa ponte, e atravessei a nado de um lado a outro. A represa começou a baixar de novo há um mês, e deve chegar ao nível mais baixo lá por outubro ou novembro (de 2003). Josino de Brito, embora ficasse no município de Campos Gerais, estava quase na divisa com Paraguaçu, beirando o rio Verde, há mais de 20 km da sede de Campos Gerais. Ficava a 6 km do distrito de Córrego do Ouro, onde moro até hoje.

Com a desativação da estação, esse distrito parou no tempo, ficando isolado de outros municípios. Somente hoje, com a exploração do turismo em alta, é que começou a se desenvolver de novo, embora o asfalto, item essencial para o desenvolvimento, ainda não tenha chegado. Contam que as viagens de carro de bois da sede do município de Campos Gerais para Josino de Brito, 24 km, eram uma delícia para os meninos da época.

O serviço de carregar os carros exigia muita prática e perícia, porque se se descuidasse, não caberia nem a metade do volume previsto, por causa do formato do carro, o de uma garrafa deitada e achatada, largo na traseira e afunilando-se para a frente, onde era atrelada a primeira junta de bois, a do "coice". Esta, por sua vez, pela tiradeira, canzil e correias, unia-se a outra junta e, assim, até chegar à junta de guia. Os carreiros eram homens treinados, fortes e grandes conhecedores do ofício, pois ser carreiro, sempre foi uma verdadeira arte, apesar das aparências em contrário.
" (Denisio Pereira da Silveira, Córrego do Ouro, MG)

1927
AO LADO: Ampliação e reforma da estação (O Estado de S. Paulo, 1/2/1927).
     
   
     
     
Atualização: 30.04.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.