A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Estações de Minas Gerais
...
RMV - Linha da Barra
...
Acácia
Aiuruoca
Seritinga
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2003
...
 
Rede Sul-Mineira (1911-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1979)
AIURUOCA (antiga ANGAHY)
Município de Aiuruoca, MG
Linha da Barra - km 165,994 (1960)   MG-0163
Altitude: 1109 m   Inauguração: 12.10.1911
Uso atual: moradia (2016)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1925
 
 
HISTORICO DA LINHA: O primeiro trecho da linha da Barra foi aberto pela V. F. Sapucaí em 1891. Chegou a Baependi em 1895 e parou. Do outro lado, os trechos entre Santa Rita do Jacutinga e Passa-Três, no Estado do Rio, foram construídos a partir de 1879 pela E. F. Santa Isabel do Rio Preto, a E. F. Pirahyense e a E. F. Santana, depois absorvidas pela Sapucaí. De Santa Rita a Baependi, seguiram da primeira para chegar a Baependi somente em 1910. Apenas nesse ano, então, consolidou-se a linha da Barra, com esse nome por causa de Barra do Piraí. Os trens de passageiros circularam até 1942 entre Barra do Piraí e Passa-Três, terminal da linha no Estado do Rio; até 1961, entre Santa Rita do Jacutinga e Barra do Piraí; até 1970, entre Bom Jardim e Santa Rita; até 1972 entre Soledade e Aiuruoca; e até 1977 entre Aiuruoca e Bom Jardim. Os trilhos de toda a linha já foram retirados.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada em 1911 com o nome de Angahy, para atender ao município de Aiuruoca. Estava situada a 10 km da cidade. Protestos da população da cidade quanto à distância que tinham de percorrer para tomar o trem levaram a estação a ser incendiada e destruída, em 18/09/1913.

A Rede Sul-Mineira não alterou sua posição e a estação permaneceu no mesmo local. Ainda com a estação destruída, a estrada de rodagem foi construída somente em 1922, com a intervenção do Coronel José Justiniano. Enquanto isso, para servir de estação, continuava ali estacionado o carro 124-D da Rede. As mercadorias da região ficavam expostas ao tempo na estação por falta de espaço para armazenamento, o que causava atrasos nos despachos.

Somente no segundo semestre de 1925, a Rede autorizou a reconstrução da estação, sendo que o Coronel ficaria responsável pelo custo da obra. Ele depositou o dinheiro no valor de 20.000$00 (vinte mil réis) para tanto. A estação foi finalmente reconstruída, doze anos após o incêndio.

Em 1931, a estação passa a ser parte da RMV - Rede Mineira de Viação, criada com a fusão de diversas ferrovias mineiras.

Em 1935, o nome da estação é alterado para o da cidade: Aiuruoca.

Entre 1961 e 1964, toda a linha da Barra teria sido suprimida, voltando a operar (mas agora somente entre Soledade e Santa Rita) em 10/9/1964, com a passagem da primeira locomotiva a diesel pela estação (*Nota do autor do site: o Guia Levi de setembro de 1962 mostra o trem correndo normalmente entre Soledade e Santa Rita do Jacutinga).

Porém, em 28/12/1972, o trecho entre Soledade e Aiuruoca foi suprimido, "para que os trabalhos da BR-267 pudessem prosseguir sem embaraços". Nessa época, o ramal funcionava com trens em dias alternados: Às 2as, 4as e 6as os trens faziam o percurso Soledade-Bom Jardim (*Nota: Bom Jardim-Santa Rita do Jacutinga havia sido suprimido em 1970), enquanto às 3as, 5as e sábados, faziam-no no sentido inverso. Somente ficou aberto o trecho Aiuruoca-Bom Jardim.

A estação de Aiuruoca, fechada por um bom tempo, voltou a reabrir, com a chegada de um novo agente e a reabertura dos serviços de telégrafo. Em 2/8/1977, entretanto, o trecho foi fechado de vez, com a passagem da locomotiva 2920, que fechou a estação e levou o restante de material que ainda existia ali. Em 21/9 do mesmo ano, as carretas com trilhos recolhidos e acumulados no pátio da estação partem para Recife, PE.

O asfaltamento da estrada de terra que ligava a cidade à rodovia BR-267 (a estação fica do outro lado da rodovia em relação à cidade) foi inaugurado no dia seguinte.

Em 8/8/1989, Raul Junqueira Arantes e sua filha, Nair Ribeiro de Arantes, compraram, em concorrência pública, o leito entre a estação de Furnas e a ponte do Galvão, na divisa do município de Seritinga, incluindo o prédio da estação e a casa do guarda-chaves, à RFFSA. Em 1992, a reforma estava pronta, e em 2002, foi feita uma restauração geral da estação. A estação estava salva.

Lá existia uma placa, antiga, com os dizeres: Distrito de Soledade. Km 75.969 - Altitude - 1.158.000 m. Em 2003, a estação era uma residência, muito bem cuidada, sendo apenas alcançada se passassemos por uma porteira próxima à rodovia.

De acordo com os Guias Levi de 1976 e 1978, ainda trafegava entre esta estação e a de Bom Jardim de Minas, nesta época, um trem de passageiros que foi o que sobrou da antiga Linha da Barra. A baldeação para a linha Barra Mansa-Goiandira, em Rutilo, ainda existia também. (*Nota: o Guia Levi de 1978 ainda apontava como funcionando até 1979 o trecho Aiuruoca-Bom Jardim)

1927
AO LADO:
Somente agora estava sendo construída uma estrada decente para ligar o centro de Aiuruoca à então ainda chamada de estação de Angahy (O Estado de S. Paulo, 13/3/1927).


ACIMA: A estação de Aiuruoca e o trem (anos 1960?) (Site www.ajuru.com.br).

TRENS - De acordo com os guias de horários e outras fontes, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1893 a 1961. Ao lado, um destes trens na estação de Bom Jardim de Minas, nos anos 1970. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em julho de 1960 (Guias Levi).
(Fontes: Ralph Giesbrecht, pesquisa local; MMA-Ecoturismo; O Estado de S. Paulo, 1927; Nair Ribeiro de Arantes: Levantamento histórico feito em 2004; www.ajuru.com.br; Guias Levi, 1932-84; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação, talvez anos 1950. Site www.ajuru.com.br

A estação de Aiuruoca, em 17/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Aiuruoca, em 17/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Aiuruoca, em 17/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Aiuruoca, em 17/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 2016. Foto MMA-Ecoturismo
     
Atualização: 26.08.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.