A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
(1883-1962)
Rua Velha
Ramiz Galvão
Rio Pardo
...
(1962-2006)
João Maura
Ramiz Galvão
Rio Pardo
...
Saída para o ramal de Santa Cruz do Sul (1905-1965):
Rincão del Rey
...
Mapa da linha - 1940
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Porto Alegre a Uruguaiana (1883-1898)
Cie. Auxiliaire des Chemins de Fer au Brésil (1898-1920)
V. F. Rio Grande do Sul (1920-1975)
RFFSA (1975-1996)
RAMIZ GALVÃO
Município de Rio Pardo, RS
Linha Porto Alegre-Uruguaiana - km 700,747 (1960)   RS-1171
Altitude: 29 m   Inauguração: 07.03.1883
Uso atual: em pé e mal conservado (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1883
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Porto Alegre-Uruguaiana foi aberta como empresa federal em 1883, ligando Santo Amaro (Amarópolis) a Cachoeira (Cachoeira do Sul). Para se ir de Santo Amaro a Porto Alegre utilizava-se a navegação fluvial no rio Jacuí. Em 1898 foi encampada pela Cie. Auxilaire, empresa belga, e em 1905 passou a ser a linha-tronco da VFRGS, ainda administrada pelos belgas. Em 1907, os trilhos atingiram finalmente Uruguaiana, na fronteira com a Argentina. Somente em 1911, a construção da linha Santo Amaro-Barreto-Montenegro possibilitou a ligação da longa linha com a Capital, utilizando-se parte da antiga linha Porto Alegre-Novo Hamburgo. Em 1920, a linha tornou-se estatal novamente. Em 1957 foi encampada pela RFFSA. Durante os seus anos de operação foram construídas algumas variantes, para encurtar tempos e distâncias, eliminando algumas estações de sua linha original. Em 1938, a variante Diretor-Pestana-Barreto diminuiu a linha em 50 km. Em 2 de fevereiro de 1996, deixaram de rodar os trens de passageiros pela linha, que, hoje transporta os trens cargueiros da concessionária ALL desde esse mesmo ano.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Couto foi inaugurada em 1883 pela E. F. Porto Alegre-Uruguaiana, próxima ao arroio do Couto, que nomeou a estação.

Em 5 de janeiro de 1939, a estação passou a se chamar Ramiz Galvão. O nome homenageia o Dr. Benjamin Franklin Ramiz Galvão, Barão de Ramiz Galvão, ali nascido em 1846. Foi, entre outros títulos e cargos, o primeiro reitor da Universidade do Rio de Janeiro, em 1920.

Os trens de passageiros deixaram de parar
ali em 02/02/1996.

A estação foi reformada em 2005, depois de anos abandonada.


Em 2016, o prédio já estava meio largado.

ACIMA: O trem da ALL já próximo à estação de Ramiz Galvão, em 05/2007, passa pela Ponte Seca (Foto Marcondes Evangelista dos Santos).




À ESQUERDA: Quem foi

Ramiz Galvão
(Folha de S. Paulo,
1/6/1965)
.
(Fontes: Vitor Hugo Langaro; Carlos R. Almeida; Marcondes Evangelista dos Santos; Carlos Latuff; Alfredo Rodrigues; Folha de S. Paulo, 1965; Eng. Ariosto Borges Fortes: VFRGS, suas estações e paradas, 1962; IPHAE: Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, 2002; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1940-81; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 02/1996. Foto Alfredo Rodrigues

A estação de Ramiz Galvão em 24/3/2000. Foto Carlos R. Almeida

A estação ao fundo do muro branco,
c.2000. Foto do livro Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, IPHAE, p. 254

O abandono da plataforma...

...das salas internas...

...é sentido nestas fotos de Carlos Latuff, em 2003

A estação já reformada em 11/2005. Foto Carlos Latuff

A estação já reformada em 11/2005. Foto Carlos Latuff

Pátio da estação, em 05/2007. Foto Marcondes Evangelista dos Santos

Em 2016, a ex-estação já sem conservação. Foto Vitor Hugo Langaro

Em 2016, a ex-estação já sem conservação. Foto Vitor Hugo Langaro
 
     
Atualização: 03.06.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.