A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Macaia
Tabatinga
São João das Três Barras
...
Saída para o ramal de Itápolis (1915-1966):
São Lourenço
...
Chegada do ramal de Tabatinga (1916-1966):
Curupá
...

Ramal de Rib. Bonito-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2000
...
 
Cia. E. F. Dourado (1909-1949)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1949-1969)
TABATINGA
(antiga SÃO JOÃO DAS TRÊS BARRAS)
Município de Tabatinga, SP
Tronco CEFD - km 102,410 (1929)
Ramal de Ribeirão Bonito - km 128,901
  SP-2601
Altitude: 453 m   Inauguração: 15.01.1909
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1909 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em maio de 1894, foi entregue o ramal de Ribeirão Bonito pela Cia. Paulista, saindo da estação de São Carlos, no tronco, e com ponto terminal em Ribeirão Bonito, em bitola métrica. Em 1900, a Cia. E. F. do Dourado (Douradense) abriu uma linha que unia Ribeirão Bonito a Dourado, com bitola de 60 cm. Em 1910, o tronco da Douradense atingiu Ibitinga e no mesmo ano sofreu modificações, aumentando-se a bitola para métrica e alterando a ligação Ribeirão Bonito-Trabiju, colocando a estação de Dourado como ponta de um curto ramal. Somente em 1939 a Douradense prolongou a linha, chegando até Novo Horizonte. Em 1949, a Paulista adquiriu a Douradense, adicionando a sua linha-tronco ao ramal de Ribeirão Bonito, que agora ligaria São Carlos a Novo Horizonte diretamente. Em 1966, a linha entre Ibitinga e Novo Horizonte foi suprimida, e em 3 de janeiro de 1969, todo o ramal de Ribeirão Bonito foi desativado. Os trilhos foram retirados pouco tempo depois.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Tabatinga foi inaugurada pela Douradense em 1909. A partir de 1915, também passou a ser ponto de saída do ramal de Itápolis; no ano seguinte, passava a ser o ponto final do ramal de Tabatinga, da Araraquarense, que vinha desde seu tronco em Silvânia. Até 1922, os trilhos da Douradense que chegavam a Tabatinga eram os de bitola estreita, 0,60 m; somente nesse ano a Dourado conseguiu terminar o alargamento para a bitola métrica que o Governo do Estado tanto demorou em autorizar. Da mesma forma, o ramal de Itápolis também foi alargado nesse ano. A estação era dividida em duas: no armazém anexo, funcionava a Tabatinga-norte, que era de responsabilidade da E. F. Araraquara, e ali chegavam os trens que vinham da EFA. Em 1949, a estação de Tabatinga passou a atender a Cia. Paulista. Em 1966, o ramal que vinha de Silvânia foi fechado; e em dezembro de mesmo ano, o ramal de Itápolis também foi suprimido. No início de 1969, foi a vez da própria estação fechar, juntamente com o último trecho que restava da velha Douradense, até Ibitinga. A estação foi demolida, em meados dos anos 80, e em seu lugar se construíram pequenos galpões que hoje estão na entrada da cidade, junto à ponte. "As locomotivas 840 até 844 tracionavam o PB14 entre Novo Horizonte e Tabatinga, e nesta última estação as locomotivas eram substituídas pelas Pacific 635, mais possantes e rápidas. Na partida havia sempre a disputa com o trem da E.F.A. que saia da mesma plataforma (lado a lado), com direção a Sylvania. Havia uma disputa por uns 500 metros mais ou menos entre os dois maquinistas. Era legal a bessa!!! Quem quiser poderá conferir esse lance, é só puxar pela memória..." (Irani Seisdedos, Borborema, SP, ago/2001)
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Irani Seisdedos; Alberto del Bianco; E. F. do Dourado: Relatórios anuais, 1900-48; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1949-69; Mapa - Acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Tabatinga, ao fundo, sem data. Foto cedida por Alberto del Bianco

Composição da Douradense deixando a estação, sem data. Foto cedida por Alberto del Bianco

Trem da EFA partindo da estação de Tabatinga, sem data. Foto cedida por Alberto del Bianco

Depósito de locomotivas da estação, em 1981. Foto Alberto del Bianco

Estação abandonada, em 1981. Foto Alberto del Bianco

A estação, já abandonada, em 1981. Foto Alberto del Bianco
     
Atualização: 20.12.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.