A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Assis
Cervinho
Cardoso de Almeida
...

Tronco EFS - 1935

IBGE-1973
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Sorocabana (1915-1971)
FEPASA (1971-1998)
CERVINHO
Município de Assis, SP
Linha-tronco original - km 626,315 (1924); km 613,358 (1931) (*); km 565,425 (1960) (**)   SP-1134
Altitude: 525 m   Inauguração: 03.09.1915
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano e em 1953, (**) devido às retificações feitas entre Conchas e Manduri neste ano.
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Cervinho foi aberta em 1915, juntamente com as de Assis e Cardoso de Almeida. Ali havia uma pedreira da Sorocabana: "A pedreira de Cervinho que apresenta, agora, boa face para a extração de pedra de ótima qualidade, tem sido prejudicada pela deficiência da instalação britadora, cujo motor e britador se acham em más condições de funcionamento em consequência do uso de mais de dezena de anos. Sendo de grande interesse intensificar o empedramento do tronco, faz-se necessária uma reforma completa na instalação britadora de Cervinho, ou, pelo menos, a substituição do britador existente por outro novo. É de se considerar que, além da extensão de 70.000 m de linha ainda existente, lastrada com terra, há também necessidade de reforçar 40.000 m de linha com lastro de pedra antigo e muito deficiente e mais o reforço que já se torna necessário no empedramento há alguns anos executado nas 8a e 9a residências" (Relatório da E. F. Sorocabana, 1942). Até quando terá funcionado este britador? Em 1986, o prédio da estação já estava sem cobertura, sem portas e janelas e com o mato em volta, no mais completo abandono. Finalmente, a estação foi demolida, e hoje somente sobram restos da plataforma no local.

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Construção de poço na estação

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros - pararam nesta estação de 1915 a té os anos 1980. Ao lado, um deles no pátio de Rancharia, em 1992. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1968: SP-Botucatu e Botucatu-Pres. Epitacio e SP-Mairinque (Guias Levi).

AO LADO: A eletrificação da pedreira de Cervinho teria mesmo se concretizado? No Brasill nunca se sabe, tantas são as promessas e o dinheiro jogado fora (O Estado de S. Paulo, 29/9/1960)

ACIMA: Privatizando a pedreira de Cervinho - terá tido resultados? (O Estado de S. Paulo, 4/3/1978).
(Fontes: Kiko Roselli; Adriano Martins; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1900-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, provavavelmente anos 1970. Acervo Kiko Roselli

Estação, já depredada, em 1986. Foto do relatório da Fepasa, 1986

Restos da plataforma da estação em 01/2003. Foto Adriano Martins
     
     
Atualização: 31.07.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.