A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Aliança
Casal
Carlos Niemeyer
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Dom Pedro II (1867-1889)
E. F. Central do Brasil (1889-1975)
RFFSA (1975-1996)
CASAL
Município de Vassouras, RJ
Linha do Centro - km 159,225 (1937)   RJ-1368
Altitude: 318 m   Inauguração: 01.10.1867
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra Mansa havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul esses trens sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Casal, que tomou o nome de uma antiga fazenda do local, foi inaugurada em 1867.

Servia, em 1928, ao distrito de Abarrancamento.

Na reportagem do jornal em 1990, a triste afirmação de que nada mais restava dos antigos armazéns que abasteciam a região com legumes e grãos. O êxodo havia sido total, e ninguém mais vivia em Casal.

"Dom Pedro II desembarcou em Barra do Piraí e inaugurou a estação, em 1864. Estava criando nessa vila do sul do Rio de Janeiro o maior entroncamento ferroviário do Brasil. E projetava isso: os estrategistas da época descobriram ali o lugar geograficamente mais racional para o encontro de dois grandes ramais de estradas de ferro, no caminho de São Paulo e Minas, por onde a riqueza do País circularia. No passo dos trilhos, os trabalhadores da Estrada de Ferro Dom Pedro II construíram suas pousadas entre as cidades já existentes, como Barra Mansa e Volta Redonda, caminho de São Paulo; Vassouras e Três Rios, rumo a Minas Gerais. Eram usadas no meio do mato, onde peões ferroviários guardavam material de construção, ferramentas e alimentos.

A concentração de peões trazia os mascates, a expectativa de comércio e o crescimento atraía as olarias - e as pousadas viraram vilas e caminhavam para ser cidades.
Quase. Surgidas da necessidade dos trabalhadores na estrada de ferro, tinham nos trilhos o eixo de sua economia - por ali recebiam mantimentos e notícias de outros lugares e escoavam a produção agrícola. Pequenos proprietários de terra estabeleceram-se e as vilas eram quase auto-suficientes. Dependiam do trem. E morreriam na década de 1970, quando o trem acabou. Aristides Lobo, Demétrio Ribeiro, Barão de Vassouras, Sebastião de Lacerda, Aliança, Casal, Carlos Niemeyer, Andrade Pinto são cidades mortas.

Algumas, cidades-fantasma: Casal e Carlos Niemeyer viveram o êxodo total e hoje apenas as ruínas de suas igrejas sem altar e casas trancadas e desertas vivem ali. Na estação agora inútil, o sempre grandioso prédio da administração e do almoxarife perdeu as telhas importadas de Marselha e as vigas de pinho de riga. As cidadezinhas perderam suas características mais pela ação do tempo, pois mesmo o roubo predatório ficou difícil com a ausência do trem
" (O Estado de S. Paulo, 03/01/1990).

Quase 20 anos depois, a situação era igual, ou pior: "Continuei a caminhada. Ao longo da linha, haviam vagões de vários tipos, encostados nos desvios, deixados lá para apodrecer, e muitas ossadas de animais atropelados pelos trens cargueiros que passam velozes por ali. O calor foi aumentando, o sol já batia forte em minhas costas. Passava das 11 horas quando cheguei a Casal. O mesmo cenário de Carlos de Niemeyer, só que por detrás do matagal, havia ruínas mais interessantes de se ver.

Descansei um pouco e por volta do meio-dia, fui fazer imagens do lugar. Pra chegar às ruínas, tive de vencer o mato alto cheio de folhas cortantes, galhos com espinhos e me esgueirar por debaixo de arame farpado. Entre os restos daquela cidadela, me surpreendi com uma capelinha abandonada, erguida em 20 de maio de 1956. Em seu interior, repleto de teias de aranha e fezes de boi, sobraram duas estatuetas e o altar, onde permanecem apenas tijolos
" (Carlos Latuff, Expedição ao Inferno, 13/2/2009).

1927
AO LADO:
Descarrilamento próximo à estação de Casal (O Estado de S. Paulo, 14/6/1927).


ACIMA: A Estação do Casal, localizada no município de Vassouras, permutava malas postais diariamente com a Administração Federal (Rio de Janeiro). As malas seguiam ao destino pela Estrada de Ferro Central do Brasil. Interessante notar a grafia de Cazal (com Z) no carimbo que é diferente da grafia no Guia Postal de 1906, que está com S. O selo já é do período republicano, porém o carimbo é proveniente do império, com um belo ornamento na parte inferior (Reprodução e texto: Márcio Protzner, 02/2009).


ACIMA: Capela, exterior e interior, em Casal: abandonada, como tudo. Sua data de abertura está na frente: 20 de maio de 1956 (Fotos Carlos Latuff, 13/2/2009).

TRENS - Os trens de passageiros pararam nesta estação de 1867 até 1991. Ao lado, o trem Rio-Belo Horizonte, que fazia esse percurso. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1968 (Guias Levi).
     

A plataforma da estação de Casal em 2009 e uma caixa d'água com a sigla "EFCB", datada de 08 de maio de 1958. Foto Carlos Latuff
   
     
Atualização: 02.09.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.