A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Martinópolis
Indiana
Regente Feijó
...

Tronco EFS - 1935

IBGE-1974
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
Sorocabana Railway (1917-1919)
E. F. Sorocabana (1919-1971)
FEPASA (1971-1998)
INDIANA
Município de Indiana, SP
Linha-tronco original - km 771,239 (1924); km 758,275 (1931) (*); km 710,342 (1960) (**)   SP-2065
Altitude: 466 m   Inauguração: 05.08.1917
Uso atual: fechada (2007)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1917
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano e em 1953, (**) devido às retificações feitas entre Conchas e Manduri neste ano.
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. Em 2006, a ALL ficou com a concessão da linha. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Indiana foi aberta como posto telegráfico em 1917. A estação deu origem à cidade, que se tornou município em 1948.

A partir dos anos 1970, quando caiu o preço do algodão, principal cultura na cidade, fecharam diversas fábricas de beneficiamento do produto e as tecelagens e diversas pessoas se mudaram de lá. No início dos anos 1990 a população já se reduzia à metade do que era vinte anos antes - agora, pouco mais de 6 mil almas. As plantações viraram pastagens para gado. Em 1986, o prédio estava já fechado, mas logo depois foi invadido, embora a área ainda possuísse um armazém e até um depósito de locomotivas.

"Todos os dias, Albino Scaioni, 70 anos, dedica-se a um ritual curioso. Às 12h30 e às 17h30, pontualmente ele comparece à estação ferroviária para assistir a passagem do trem. Detalhe: nesses horários, o trem, que faz a viagem entre São Paulo e Presidente Prudente, não pára em Indiana. 'Não tenho nada para fazer e venho aqui gastar o tempo', justifica Scaioni" (O Estado de S. Paulo, 31/10/1991). Notícia de jornal de Presidente Prudente (O Imparcial, 20/11/1996) diz que a estação foi fechada "pouco antes".

De qualquer forma, os trens de passageiros passaram por ali até 16 de janeiro de 1999, quando foram desativados pela Ferroban.
ACIMA: Primeiro horário anunciado para trens correndo entre Indiana e Presidente Prudente, isto para 15 de janeiro de 1919. Havia, portanto, baldeação em Indiana (O Estado de S. Paulo, 13/1/1919).

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1926 - Remodelação e extensão dos desvios para 3.130 m


ACIMA: Mal aberta, a estação de Indiana ainda envolta por "mattas virgens" já oferecia terras para vender (Diario Popular, 29/1/1918).

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros - pararam nesta estação de 1917 a 1999. Ao lado, um deles no pátio de Rancharia, em 1992. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1968: SP-Botucatu e Botucatu-Pres. Epitacio e SP-Mairinque (Guias Levi).
(Fontes: José C. Daltozo; Carlos Cornejo; Elias Vieira; Adriano Martins; Diario Popular, 1918; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; O Estado de S. Paulo, 1991; O Imparcial, 1996; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Posto telegráfico de Indiana em 6/5/1919. Foto cedida por Carlos Cornejo

Depósito de locomotivas de Indiana, em 1982, antes de ser demolido. Foto Elias Vieira

Em 1986, o prédio da estação em mau estado, mas ainda com as janelas originais. Relatório Fepasa, 1986

Em 1998, a estação reformada, mas com as janelas diminuídas. Foto José Carlos Daltozo

Em 2000, o armazém de Indiana, ao lado da estação. Foto José Carlos Daltozo

A caixa d'água. Foto Adriano Martins em 1/2003

A estação, em 09/2007. Foto José Carlos Daltozo
   
     
Atualização: 18.08.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.