A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Bacuri
Nova Nipônia
Lussanvira
...

ramal de Lussanvira-1950

OESP - 1928
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Noroeste do Brasil (1924-1961)
NOVA NIPÔNIA (antiga COTOVELO)
Município de Araçatuba, SP
Linha-tronco original - km 370,808 Ramal de Lussanvira - km 90,298   SP-0189
Altitude: 298 m   Inauguração: 01.01.1924
Uso atual: desconhecido   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Lussanvira era parte do tronco da Noroeste até pelo menos 1940, quando a variante mais ao sul foi terminada, ligando Araçatuba a Jupiá. O trecho foi abandonado por passar por uma zona de malária muito intensa, onde prevalecia o impaludismo, causando problemas para os ferroviários e moradores da região. Nesse ano, o trecho entre Lussanvira e Jupiá foi suprimido, pois era o que apresentava piores condições para tráfego e povoamento. Em 1961, o ramal foi definitivamente extinto e todo o trecho junto a Lussanvira, incluindo a própria estação, foi submergido pela construção da represa de Três Irmãos.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi aberta no tronco da Noroeste em 1924, com o nome de Cotovelo (por causa do rio do Cotovelo, ali próximo) e, provavelmente nos anos 1930, foi renomeada como Nova Nipônia, nome com a qual já aparece nos relatórios do fim dessa década. Em 1940, passou a fazer parte do ramal de Lussanvira. Em 1948, um mapa da região ainda a identificava como Cotovelo. O nome original, entretanto, foi retomado. Conta a história que "em 12 de setembro de 1944 o trem misto trafegava entre as estações de Lussanvira e de Nova Nipônia, quando Segismundo Reis, chefe do trem de 50 anos, conferia as passagens, quando notou um passageiro que não tinha sua passagem. Perguntou a ele qual seria o seu destino e disse-lhe que iria escriturar um talão para cobrar a passagem. Voltou então para o "breque", como era chamado o carro destinado ao condutor e seus auxiliares, quando o tal passageiro entrou no compartimento e o agrediu com socos e pontapés, tentando inclusive, a seguir, enforcá-lo com uma gravata. Os auxiliares seguraram o agressor e o prenderam" (O Avaiense, janeiro de 2008). A estação foi desativada em 1961 com o ramal. Entre esta estação e a seguinte, Lussanvira, e bem próximo a esta última, existia um posto telegráfico, o "km 106", no km 105,812 do ramal. "Conheci as estações de Lussanvira, Nova Nipônia e Bacuri,na época que estavam desativando e posteriormente na retirada dos trilhos. Na estação do Cotovelo, depois Nova Nipônia, muitos imigrantes japoneses lá desembarcaram para formar o núcleo de desenvolvimento das Três Alianças, tendo uma historia muito interessante. Morreu muita gente no vargeão do Tietê ,de impaludismo, tanto na época da construção como nos anos subseqüentes. O vargeão que a NOB margeava tinha a predominância de papiros (a de fazer papel) que lá era endêmica, coisa bizarra. Havia também no meio do rio grande quantidade de pedras utilizadas por habitantes do local para a feitura de fogo, e outros usos identificados pela USP datando de mais de 2000 anos" (Joaquim Franco de Mello Netto, 06/2007).

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1924 a 1962. Ao lado, saiba mais sobre o ramal de Lussanvira - clique sobre a foto para ver mais detalhes. Veja aqui horários em maio de 1941 (Guias Levi).
(Fontes: Joaquim Franco de Mello Netto; Marcello Tallamo; O Estado de S. Paulo, 1928; E. F. Noroeste do Brasil: Relação oficial de estações, 1937; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Nova Nipônia, sem data. Acervo Marcello Tallamo

O couro de uma enorme cobra é mostrado pelo (provável) chefe da estação nos, supostamente, anos 1940. Autor desconhecido
 
     
     
Atualização: 27.06.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.