A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Vila Aurora
Perus
Caieiras
...
Saída para a E. F. Perus-Pirapora: Perus-EFPP
...

SPR-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2012
...
 
São Paulo Railway (1867-1946)
E. F. Santos-Jundiaí (1946-1994)
CPTM (1994-2013)
PERUS
Município de São Paulo, SP
Linha-tronco - km 101,300 (1935)   SP-0205
Altitude: 737 m   Inauguração: 16.02.1867
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1867
 
 
HISTORICO DA LINHA: A São Paulo Railway - SPR ou popularmente "Ingleza" - foi a primeira estrada de ferro construída em solo paulista. Construída entre 1862 e 1867 por investidores ingleses, tinha inicialmente como um de seus maiores acionistas o Barão de Mauá. Ligando Jundiaí a Santos, transportou durante muito anos - até a década de 30, quando a Sorocabana abriu a Mairinque-Santos - o café e outras mercadorias, além de passageiros de forma monopolística do interior para o porto, sendo um verdadeiro funil que atravessava a cidade de São Paulo de norte a sul. Em 1946, com o final da concessão governamental, passou a pertencer à União sob o nome de E. F. Santos-Jundiaí (EFSJ). O nome pegou e é usado até hoje, embora nos anos 70 tenha passado a pertencer à RFFSA, e, em 1997, tenha sido entregue à concessionária MRS, que hoje a controla. O tráfego de passageiros de longa distância terminou em 1997, mas o transporte entre Jundiaí e Paranapiacaba continua até hoje com as TUES dos trens metropolitanos.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Perus foi aberta em 1867, juntamente com a linha. O seu prédio ainda é o um dos poucos que ainda é a estação original, tendo sofrido algumas modificações durante seus quase 140 anos de idade. Hoje está situada num dos bairros

ACIMA: Neste artigo de 1950, a população reclamava da falta de trens suficientes para o bairro (Folha da Manhã, 20/10/1950).
mais populosos da Capital. Já há muito tempo atende somente trens metropolitanos. Desde os anos 1910, de lá sai a E. F. Perus-Pirapora, desativada em 1983, mas ainda existente, tombada pelo CONDEPHAAT e abandonada. Foi depredada diversas vezes por passageiros irritados com o atraso dos trens, como em 1983 e em 1996. Em 29/07/2000, houve um acidente com um trem vazio

ACIMA: Cabine de controle da estação de Perus, provavelmente anos 1950 (Autor desconhecido).
ABAIXO: Estação de Perus, fotografia tirada no sentido de São Paulo. A linha da direita, em bitola de 60 cm, é da E. F. Perus-Pirapora. Notar a calma do local em 1953 (Acervo Nelson Camargo).
desgovernado que desceu da estação de Jaraguá e bateu na composição parada na estação, cheia de gente; subiu na plataforma e destruiu parcialmente a estação, matando várias pessoas. Com isso a estação foi reformada mais uma vez. Sobre o acidente, outros dizem que um TUE que saiu de Perus com direção
ACIMA: Mapa com a estação de Perus (canto direito) e a Fábrica de Cimento Portland, além de mostrar o triângulo de reversão da E. F. Perus-Pirapora (canto esquerdo) em 1930 (SARA Brasil, 1930). ABAIXO: Interessante reortagem de março de 1962 sobre o bairro de Perus. Pena a má qualidade do texto e da fotografia (Folha de S. Paulo. 7/3/1962).
a Caieiras, parou em uma acentuada rampa logo depois da estação de Perus, rampa esta já dentro da fazenda da Melhoramentos, por falta de energia elétrica. Como a energia demorou a voltar, e com os vazamentos das tubulações dos freios a ar comprimido, este ar
A estação ferroviária de Perus foi tombada pelo CONDEPHAAT em 21 de junho de 2010, pelo ofício 1433/2010 do processo 60307/2009. A carta de comunicação aos interessados foi emitida em 22 de julho de 2010. O tombamento havia sido pedido por mim, Ralph Mennucci Giesbrecht, no ano de 2006. TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros param nesta estação desde o ano de 1867. Veja aqui horários em --- (Guias Levi).

ACIMA: Trem da CPTM parado na estação e fotografado da passarela (Foto Rafael Asquini, 28/1/2012).
descomprimiu e aliviou os freios. O maquinista ainda tentou calçar o trem mas não conseguiu. Este trem estão voltou e bateu em um trem ainda na plataforma da estação que não havia sido evacuado.
Do lado de Jaraguá, não seria possível pois a rampa é muito suave até a altura da fábrica da Voith, onde existe um desvio de cruzamento de trens.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Alexandre Giesbrecht; Nilson Rodrigues; Ricardo Koracsony; Nelson Camargo; Kleber Ragossi; William Gimenes; Folha da Manhã, 1950; Folha de S. Paulo, 1962; O Estado de S. Paulo, 2000; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Francisco de Paula Guimarães era o chefe da estação de Perus quando ofereceu esta foto da estação para Sr. William Speers, superintendente da SPR em 1898.

Estação de Perus, em 1991. Foto William Gimenez

Desastre na estação de Perus, em 29/07/2000. Foto O Estado de S. Paulo

A estação já reformada, em 03/2003. Foto Ricardo Koracsony

Passarela da estação em 03/2003. Foto Ricardo Koracsony

O trem da CPTM passa pela estação já reformada, em 03/2003. Notar a "mão inglesa". Foto Ricardo Koracsony

Pátio da estação, visto da passarela. O prédio antigo e reformado da estação está à esquerda. Foto Ralph M. Giesbrecht, em 20/04/2004

Acima dos longos telhados da plataforma, a velha estação de 1867 pode ser vista em sua parte superior apenas. Foto Alexandre Giesbrecht em 11/3/2011
 
     
Atualização: 28.01.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.