A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Rio das Pedras
Piracicaba
Barão de Rezende
...

seção Ituana - 1935
...

Mapa HRR, 1995/96
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2015
...
 
Cia. Ytuana (1877-1892)
Cia. União Ytuana e Sorocabana (1892-1905)
E. F. Sorocabana (1905-1971)
FEPASA (1971-c.1990)
PIRACICABA
(antiga CONSTITUIÇÃO)
Município de Piracicaba, SP
Ramal de Piracicaba - km 237,174 (1934)   SP-2735
Altitude: 527 m   Inauguração: 20.02.1877
Uso atual: terminal de ônibus (2016)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1885
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Piracicaba foi construído pela Cia. Ituana a partir de 1873, partindo da estação de Itaici, na linha, também da Ituana, entre Jundiaí e Itu. Em 1892, houve a fusão com a Sorocabana, formando a Cia. União Sorocabana e Ytuana (CUSY). Em 1893 o ramal chegou a São Pedro, ponto terminal, 58 km à frente de Piracicaba, onde havia chegado em 1877. A Ituana foi definitivamente incorporada pela Sorocabana em 1905, com a compra da CUSY pelo grupo americano de Percival Farquar. O ramal - algumas vezes chamado também de ramal de São Pedro - teve o trecho final, entre Piracicaba e São Pedro, suprimido para trens de passageiros em 1966 e seus trilhos foram retirados em 1980. Até esta época, ainda seguiam cargas para a Usina Costa Pinto e para a Dedini. O tráfego de passageiros entre Itaici e Piracicaba acabou em 15/2/1977, último dia de circulação e cinco dias antes do centenário da linha, enquanto trens de carga continuaram trafegando cada vez menos até meados dos anos 1980. Por volta de 1990, os trilhos, já abandonados, foram retirados pela agora FEPASA.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Piracicaba original foi construída em terreno doado pela Câmara Municipal. Ela foi inaugurada com dois

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Instalação telefônica; construção de um galpão para servir de garage ao Serviço Rodoviario

dias de festas, em 20/02/1877, quando a cidade, e também a estação, se chamavam ainda Constituição, nome que foi alterado para Piracicaba, menos de dois meses depois. "Como parte dos festejos, constava a iluminação da fachada dos prédios públicos e particulares, nas noites de 20 e 21. Para uma cidade com três ou quatro quarteirões iluminados por lampiões a querosene, imagine-se o espetáculo de todas as casas a ostentar, nas janelas e portas, lampiões, lamparinas, velas ou fogueiras nas praças centrais". É ainda curioso que existam fontes que dão como ano de inauguração da estação de Piracicaba o ano de 1879, apesar de todas as descrições que existem das datas e das festas de inauguração em 1877. O tráfego definitivo dos trens, entretanto, só foi iniciado em 19 de maio, três meses depois da inauguração da estação. Esse prédio era um armazém de cargas, com um pequeno cômodo para o embarque e desembarque de passageiros. "Segundo ouvi, quando menino, de pessoas antigas da localidade, a estação da Ituana era um prédio pequeno, tal como os prédios dessa mesma estrada existentes em lugarejos". Em 06/01/1885, com a inauguração da nova estação, projetada pelo engenheiro José Pereira Rebouças, mas ainda em construção, com direito a concertos e saraus, o trem chegou ao seu novo leito pela primeira vez, desativando a estação primitiva. Esta, que se situava onde hoje está o Bairro Alto, entre as ruas Moraes Barros e XV de Novembro, foi demolida anos mais tarde, depois de ter sido suge-rida a sua adaptação para abrigar a hospedaria de imigrantes na cidade, o que acabou por não acontecer. Hoje, em seu lugar, existe o grupo escolar Dr. Alfredo Cardoso, lugar esse que não ficava muito longe da estação atual, mas num local mais alto. A nova estação, depois de uma obra muito lenta (a pedra fundamental havia sido colocada, com mais festas, em 22/04/1884), foi terminada somente em fins de 1886, quase dois anos depois de sua inauguração oficial, na margem direita do córrego Itapeva, que, canalizado mais tarde, tornou-se hoje uma das mais importantes vias da cidade, a Armando de Salles Oliveira. Em agosto de 1887, os jornais da cidade festejaram o fato de a Ytuana mandar construir junto à estação um gabinetezinho onde empregados e passageiros podiam "se recolher por momentos para um serviço íntimo, sem a necessidade de procurar uma moita próxima". À noite, porém, não havia um lampião decente: nesse mesmo ano de 1887, ele fazia falta com a chegada sempre atrasada dos trens. "O que havia lá era uma lanterna miserável, que fornecia luz de uma banda só, dando ao ambiente um ar fúnebre e apavorante", segundo o jornal da época. Em 9 de janeiro de 1888, houve pancadaria na estação: uma escolta policial conduzia escravos capturados e o povo resolveu soltar os cativos; os homens da escolta apanharam a valer no tumulto repentino que se formou, enquanto os escravos fugiam correndo. O edifício da estação, mostrado em algumas fotos abaixo, foi totalmente reformado em 1943, tomando o aspecto que ostenta até hoje. Durante a reforma, um barraco de madeira serviu de estação provisória de embarque e desembarque. Em 1944, o novo prédio foi inaugurado. A fotografia é desse ano, durante a construção do mesmo, que aparece aí quase pronto. Existem registros que afirmam ter sido o velho prédio demolido para dar lugar ao atual, mas o que ocorreu mesmo foi uma ampla reforma, com o aproveitamento da estrutura original do edifício. Os trens de passageiros da Sorocabana circularam pela última vez em 15 de fevereiro de 1977, cinco dias antes do centenário de abertura da linha. Depois disso, a linha permaneceu para tráfego de raros cargueiros da usina Costa Pinto e da Dedini, que, em meados dos anos 1980, já não circulavam mais. Os trilhos entre a estação de Piracicaba e os bairros foram retirados em 1980. Para isso, foram unidos com uma linha de bitola mista que terminava na estação de Piracicaba Paulista, da antiga CP, e ali descarregadas as eventuais cargas trazidas pela linha. O restante do ramal foi arrancado por volta de 1990. O edifício serve hoje (e desde 1991) como sede do centro de controle de operações do sistema coletivo de ônibus de Piracicaba - ao seu lado, está situado o terminal de ônibus
Piracicaba é a terra natal de meu avô materno, Sud Mennucci (1892-1948). Quarto filho de Amedeo Mennucci (1860-1930) e de Teresa Lari (1866-1937), italianos que se estabeleceram na cidade em 1888, saiu da cidade em 1910 para ser professor em Cravinhos, SP. Dali foi para Piracaia e depois para Dourado, seguiu para Belém do Pará, de onde retornou para lecionar em Porto Ferreira, SP, em 1914, onde se casou três anos depois com a ferreirense Maria da Silva Oliveira. Depois de morar 3 anos na cidade, mudou-se para Campinas e depois Piracicaba, de onde foi em 1925 com a esposa e a filha para a cidade de São Paulo, de onde nunca mais saiu (do autor do site).
urbanos. A fachada ainda é muito parecida com a de 1944; já a parte de trás, não tem mais nada a ver, a plataforma foi completamente demolida e a cobertura retirada, para dar passagem a uma rua. Em 2015, a praça formada pela estação é reduto de prostitutas e drogados, embora, durante o dia, seja frequentável.

ACIMA: Localização da estação de Piracicaba da Sorocabana em 1950 (CLIQUE SOBRE A FOTO PARA VER A CIDADE TODA) (IGC-Instituto Geografico e Cartografico de São Paulo). ABAIXO: Cidade de Piracicaba nos anos 1960. No canto superior esquerdo, o rio Piracicaba; no canto inferior direito, a estação da Sorocababa e seu pátio. Vê-se também o triângulo de reversão (Autor desconhecido).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; José Pinto Siqueira Jr.; Leandro Guerrini: História de Piracicaba em Quadrinhos, 1970; Cia. Ytuana: relatórios anuais, 1872-1892; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1892-1969; Noedi Monteiro: Mais que Vencedores, 1997; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Piracicaba, por volta de 1892. Arquivos Ralph M. Giesbrecht

Estação de Piracicaba, sem data. Foto do livro "Mais que Vencedores", de Noedy Monteiro, 1997

O novo prédio da estação de Piracicaba em 1944, na época da inauguração. Relatório da Sorocabana, 1945

Plataforma da estação de Piracicaba, em 1954. Foto do livro "Mais que Vencedores", de Noedy Monteiro, 1997

A estação em 1980. Foto José Pinto Siqueira Jr.

A estação de Piracicaba, já como terminal de ônibus urbanos (11/05/1998). Foto Ralph M. Giesbrecht
     
     
Atualização: 25.02.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.