A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Estações de Minas Gerais
...
RMV - Linha do Sapucaí
...
Pedreira
Itajubá
Piranguinho
...
Saída para o ramal de Delfim Moreira:
Quilômetro 4
...

Ramal de Sapucaí - 1931
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2005
...
 
V. F. Sapucaí (1891-1910)
Rede Sul-Mineira (1910-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1986)
ITAJUBÁ
Município de Itajubá, MG (veja a cidade)
Ramal de Sapucaí - km 173,769 (1960)   MG-2011
Altitude: 843 m   Inauguração: 25.09.1891
Uso atual: estação rodoviária (2014)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1932
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Viação Férrea do Sapucaí, aberta como E. F. do Sapucaí em 1887, inaugurou o primeiro trecho de linha até Itajubá em 1891, partindo de Soledade, na E. F. Minas e Rio. Em 1897 chegou a Sapucaí, na divisa com São Paulo, tendo cedido o trecho que chegava a Itapira à Mogiana bem antes disso. Incorporada pela Rede Sul-Mineira em 1910, daí à RMV em 1931, VFCO em 1965 e finalmente à RFFSA em 1975, os trens de passageiros deixaram de circular no final dos anos 1970 e os trilhos foram retirados a partir de 1986.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Itajubá foi inaugurada em 1891, numa das mais prósperas regiões do sul de Minas Gerais.

A partir de 1910, passaram a sair dali os trens para o ramal de Paraisópolis (cuja linha se bifurcava na estação seguinte, Piranguinho) e, em 1927, a linha e os trens do ramal de Delfim Moreira passaram a sair também da estação de Itajubá.

Esses dois ramais foram suprimidos respectivamente em 1964 e 1961.

Pela estação ainda passaram trens de passageiros até 1873, e a linha foi finalmente suprimida em 1986.

No local do pátio ferroviário existe hoje uma avenida sem muita função de tráfego. A estação virou museu, mas foi fechado - em 2014 o prédio, restaurado, tornou-se estação rodoviária.



ACIMA: A fábrica de doces Vera Cruz, em Itajubá: na rua em primeiro plano pode-se ver, um pouquinho da linha férrea do ramal de Delfim Moreira, que de lá trazia marmelos. Pode-se ainda ver na foto: a ponte de arcos; as charretes de aluguel; o ônibus sem maleiro: as malas iam em cima, sob uma lona. À esquerda da foto, pode-se ver a casa de um guarda-linhas que manobrava um pequeno ramal que adentrava a Fábrica Vera Cruz que, nessa época, enviava doces para a rede de supermercados Casas da Banha do Rio de Janeiro. A fábrica acima foi demolida e hoje ali funciona uma agência do Itaú. O trem na foto segue de Itajubá para Delfim Moreira da esquerda para a direita. Já a foto foi feita do alto do morro da igreja, do outro lado. Então, o sentido Itajubá-Delfim é da direita para a esquerda. A ponte não mais existe (foi demolida e reconstruída) e divide o centro da cidade com o Bairro S. Vicente. Na frente da fábrica de doces, como havia bastante espaço e não havia o trânsito de hoje, em época do Natal, a criançada se juntava para ver passar o Papai Noel da Fábrica de Armas (hoje Imbel) que ia da estação principal até a estação de Pacatito sobre uma prancha aberta e distribuindo doces e balas. No Pacatito era onde ficava, ou melhor, ainda fica, a indústria bélica. Era em Delfim Moreira que havia fábricas de polpa da Peixe, da Cica e outras. A polpa servia de base para a fabricação de doces e geléias. A Vera Cruz já era uma fábrica de doces, embora tivesse junto às plantações também uma fábrica de polpa (Foto sem data, provavelmente anos 1940 ou 1950. Acervo Francisco Seixas).














1891

AO LADO: A notícia da inauguração da estação de Itajubá em setembro de 1891 (O Pharol, 28/9/1891).

ACIMA: Wenceslau Braz toma o trem em Itajubá em 1909 para tomar posse no governo de Minas Gerais (Fon-Fon, 10/4/1909).


ACIMA: Em 1912, havia um trem expresso entre as estações de Soledade e de Iyajubá. Foi interrompido, mas voltou, devido a protesto dos usuários (O Estado de S. Paulo, 27/5/1912).
1932
AO LADO: A notícia que Itajubá ganharia uma nova estação (O Estado de S. Paulo, 29/5/1932).

ACIMA: Curva que a linha fazia entre a igreja (à esquerda) e a estação (à direita) costeando o morro em Itajubá (Autor desconhecido. Data - possivelmente anos 1960-70).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Fernando Villamarim; Daniel Iozzi Sperandelli; Francisco Seixas; Carlos Roberto de Almeida; Douglas Razaboni; Antonio C. Belviso; Antonio R. Almeida; Ana Maria Giesbrecht; O Estado de S. Paulo, 1912; O Pharol, 28/9/1891; Fon-Fon, 1909; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Antiga estação de Itajubá, sem data. Foto cedida por Carlos Roberto de Almeida

Estação de Itajubá, anos 40. Autor desconhecido

A estação, anos 1960. Foto cedida por Douglas Razaboni

A estação nos anos 1980. Acervo Antonio C. Belviso

A estação, anos 1990. Foto Antonio R. Almeida, enviada por Carlos R. Almeida

A estação em 2001. Autor desconhecido

A estação em 24/10/2004. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A estação em 24/10/2004. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A estação do lado da plataforma em 06/02/2005. Foto Ana Maria Giesbrecht

Estação de Itajubá em 7/2011. Foto Fernando Villamarim
   
     
Atualização: 28.04.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.