A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Tamoio
Chibarro
Ouro
...

Tronco CP-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1998
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1922-1971)
FEPASA (1971-1998)
CHIBARRO
Município de Araraquara, SP
Linha-tronco - km 235,457 (1958)   SP-1154
    Inauguração: 14/07/1922
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1922
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até o final de 2000.
 
A ESTAÇÃO: Em 14/07/1922, a estação de Fortaleza foi fechada, e, próxima a ela, cerca de 400 metros, na nova linha de bitola larga

ACIMA: Sobre o nome Chibarro, ainda pode ser lido o nome Fortaleza, quase apagado e mantido por pouquíssimo tempo após a abertura da estação em 1922 (Foto Rafael Corrêa, março de 2009).

aberta naquele dia, foi aberta a estação de Chibarro, nome de um córrego próximo. O nome Fortaleza, tirado da usina próxima que, aliás, existe até hoje, não foi mantido pela Paulista. Da nova estação passou a sair um ramal de 25 km e bitola de 60 cm, pertencente à Empresa Industrial de Lenha Chibarro, que carregava lenha. Em 1986, a estação estava sendo usada como escola, pela Destilaria São Geraldo. Hoje (2009), está abandonada e vedada com tijolos; a cabina de controle está depredada. A vila próxima, pequeníssima, ainda é habitada. Interessante é que, até hoje, ainda é possível de se ler, apagado, o nome Fortaleza no dístico, nome esse que a estação ostentou por pouquíssimo tempo e há quase 80 anos atrás. (ver também FORTALEZA) ver também E. F. Empresa Industrial de Lenha Chibarro)

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1922 a 19--. Veja aqui horários em 19-- (Guias Levi).
"Minha casa era no cantinho onde termina a plataforma e saí de lá no dia 9 de novembro de 1969, quando me casei. Voltei algumas vezes enquanto minha mãe morava lá, mas depois nunca mais tinha ido na estação, já fazia quase 39 anos. Ontem, 25 de julho de 2010, nós fomos lá para ver como está na verdade: foi muito triste. A casa onde morei está cercada de árvores e muro e a plataforma está toda destruída. A cabine e a estação estão destruídas também: subi a escada da cabine para ver que só tem umas madeiras, mas as tábuas já não existem mais. A casa que fazia fundo com a minha era a casa da dona Ercilia, esposa do sr. Antonio Tomazzi, onde hoje é o sítio Tomazzi. A igreja onde eu fiz a minha Primeira Comunhão está pintada de azul e fechada, Na frente, morava a minha amiga Dirce Marcatto, filha do sr Domingos Marcatto; a casa do lado onde morava a dona Roberta Kantovitz está fechada com um muro; logo acima, o bar do José Kantovitz (o popular Zelão) já não existe é uma casa amarela cercada com muro. O salão de baile onde eu dancei tanto encontra-se fechado e faz parte de uma casa amarela. Os bailes começavam no sábado às 9 horas e iam até o dia amanhecer. Nos domingos à tarde, começavam às 17 horas e terminavam só à noite. O campo de futebol onde eu assisti a tantos jogos e também onde havia campeonato de queimada está cheio de chiqueiro e a casa da minha amiga Vilma, filha de Américo Tomazzi, está do mesmo jeito, nem a cor mudou, mas as pessoas que lá residem não os conhecem. Acima tinha uma colônia de madeira com umas dez casas, lindas e bem feitas onde morava muita gente: havia a casa da minha amiga Edna, filha de José Recco, casas de pessoas que já não existem mais, assim como a casa da dona Lucinda, já não está mais lá, Já a minha escola na antiga colônia da Paulista está que é somente mato num completo abandono" (Maria Rosa Dias, 25/7/2010).
"Em Chibarro, onde eu nasci em 1935 e lá vivi por mais de 80 anos, viveram meus avós, meus tios, minha mãe e meu pai, a historia é longa. No trecho escrito há nomes de filhos de Américo Tomazzi e "Antonio" que na verdade é Gino Tomazzi, casado com D. Ercilia Ferri, filha de Serafim Ferri, Gino e seu Imão Americo, meus tios, que viveram juntamente com minha avó Assumpta Valle Tomazzi, até os ultimos dias de sua vida, ali em Chibarro. No salão do Zelão, sócio com meu tio Augsto Tomazzi, eu também dancei ali e joguei futebol naquele campo" (Francisco Biagini, 8/9/2010).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 1998; Hermes Y. Hinuy, 2002; Antonio Sergio Brito, 2004-7; Rafael Corrêa, 2009; Relatórios oficiais da Cia. Paulista, 1892-1969; Relatório no. 3 da Secretaria de Estado dos Negócios da Viação e Obras Públicas do Estado de S. Paulo, 1929; (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, volume XI, IBGE, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, ainda ativa, em 01/1980. Foto Flávio Michellini

A estação, no prédio de 1922, em 21/08/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

Na foto vê-se a descaracterização do prédio fechado (21/08/1998). Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 11/06/2002, a estação de Chibarro. Foto Hermes Y. Hinuy

Em 11/06/2002, a estação de Chibarro. Foto Hermes Y. Hinuy

Em 07/2004, o abandono continua. Foto Antonio Sergio Brito

A estação ao fundo e a cabine de controla em primeiro plano, em 08/2007. Foto Antonio Sergio Brito
   
     
Atualização: 12.01.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.