A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Pedro do Rio
Areal
Alberto Torres
...
Saída para o ramal de São José do Rio Preto: Salomão
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...

 
E. F. Príncipe do Grão Pará (1886-1890)
E. F. Leopoldina (1890-1964)
AREAL
Município de Areal, RJ
Linha do Norte - km 99,462 (1960)   RJ-1942
Altitude: 446 m   Inauguração: 01.05.1886
Uso atual: em reforma (2017)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha que unia o centro do Rio de Janeiro a Petrópolis e Três Rios foi construída por empresas diferentes em tempos diferentes. Uma pequena parte dela é a mais antiga do Brasil, construída pelo Barão de Mauá em 1854 e que unia o porto de Mauá (Guia de Pacobaíba) à estação de Raiz da Serra (Vila Inhomerim). O trecho entre esta última e a estação de Piabetá foi incorporada pela E. F. Príncipe do Grão Pará, que construiu o prolongamento até Petrópolis e Areal entre os anos de 1883 e 1886. Finalmente a estação de Areal foi unida à de Três Rios em 1900, já pela Leopoldina. Finalmente, o trecho entre o a estação de São Francisco Xavier, na Central do Brasil, e Piabetá foi entregue entre 1886 e 1888 pela chamada E. F. Norte, que neste último ano foi comprada pela R. J. Northern Railway. Finalmente, em 1890, a linha toda passou para o controle da Leopoldina. Em 1926 a linha foi estendida finalmente até a estação de Barão de Mauá, aberta nesse ano, eliminando-se a baldeação em São Francisco Xavier. O trecho entre Vila Inhomerim e Três Rios foi suprimido em 5 de novembro de 1964. Segue operando para trens metropolitanos todo o trecho entre o centro do Rio de Janeiro e Vila Inhomerim.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Areal foi inaugurada em 1886 pela E. F. Príncipe do Grão-Pará.

Segundo se sabe, o ramal de São José do Rio Preto fazia parte da linha tronco da antiga Grão Pará, que pretendia atingir Além Paraíba subindo a margem esquerda do rio Preto até conseguir vencer o vale por ele aberto, mas seus planos foram frustrados por um enorme paredão de pedra na localidade de Serra do Sossego, depois de São José. O paredão era intransponível para os recursos da época, levando a Grão Pará a estacionar a linha em São José por alguns anos.

Com o advento da Leopoldina, esta preferiu dar prosseguimento na linha via Três Rios e, dali, seguindo o Paraíba do Sul, atingir Além Paraíba. Analisando os dois trechos, vemos quão acertada foi a idéia da Leopoldina. O traçado mais difícil já fora vencido entre Petrópolis e Areal. Bastava seguir o Piabanha por um bom trecho até nas proximidades de Três Rios, abandonando-o na localidade de Alberto Torres e seguindo até Moura Brasil. Dali, por um corte na pedra, passava para o vale do Paraíba do Sul e seguia em demanda de Três Rios, cruzando a bela Ponte das Garças, outrora da Cia. União e Indústria.

A estação foi fechada em 1964, com a supressão do trecho. Desta estação saía o ramal para São José do Rio Preto. A estação de Areal estava em estado muito ruim, ruindo aos poucos, ao descaso da prefeitura local. e uma reforma foi iniciada em 2012, reforma esta que, em junho de 2017, continuava em execução, longe de estar terminada.

ACIMA: Ponte ferroviária desativada na saída para Três Rios, em Areal (Foto Fábio Lima, em fevereiro de 2013).
AO LADO: O carimbo de Areal em um selo do império, com a peculiar letra E, na parte inferior, indicando estação. No carimbo reza a data de 13 de março de 1885, porém a estação foi inaugurada em 1886. A agência do correio teria sido inaugurada antes? Ou a estação já estaria funcionando antes (mais provavel)? A estação localizava-se no município de Paraíba do Sul e pertencia à E. F. Grão Pará, posteriormente, controlada pela E. F. Leopoldina. A mala postal era diariamente permutada com a Administração Federal e seguia pela E. F. Grão Pará até Mauá (Guia de Pacobaíba), em seguida pelas barcas da Companhia Leopoldinense (Marcio Protzner, 18/7/2009).

ACIMA: Dístico da estação de Areal, já rachado junto com o prédio (Foto Jorge A. Ferreira em 12/10/2010).

À ESQUERDA: Convite para a inauguração da estação datado de 17 de maio de 1886 (data diferente da oficial citada acima). CLIQUE SOBRE AS DUAS FIGURAS PARA VÊ-LAS EM TAMANHO MAIOR.
ACIMA: Trem puxado a locomotiva diesel na estação de Areal (Provavelmente anos 1960. Autor desconhecido. Cessão Rodrigo Martins de Oliveira).

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1886 a 1963. Na foto à esquerda, o trem está trafegando pelo trecho da serra. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1958 (Guias Levi).
(Fontes: Alex Medeiros; Fabio Lima; Jorge A. Ferreira; Rodrigo Martins de Oliveira; Pedro Paulo Resende; Jairo Mello; Marcio Protzner, 2009; http://entreriosjornal.com.br; Edmundo Siqueira: Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938; Cyro Pessoa Jr.: Estudo Descritivo das Estradas de Ferro do Brasil, 1886; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1938-1980; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, provavelmente anos 1930. Cessão Rodrigo Martins de Oliveira

A estação, provavelmente anos 1960. Cessão Rodrigo Martins de Oliveira

Estação de Areal, em 07/2001. Foto Jorge Alves Ferreira

Estação de Areal, em 07/2001. Foto Jorge Alves Ferreira

A estação em 12/10/2010. Foto Jorge A. Ferreira

A antiga estação em reforma, em 2/2013. Foto Fabio Lima

A estação em 17/6/2017, ainda em reforma. Foto Alex Medeiros
 
     
Atualização: 03.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.