Estações Ferroviárias do Estado do Rio Grande do Sul

Neste Estado, a partir de 1905, as ferrovias foram unficadas sob o nome de VFRGS - Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Na época algumas linhas já pertenciam à Cie. Auxiliaire, outras ao Governo; A VFRGS foi entregue à administração desta última, que, por sua vez, passou a fazer parte da Brazil Railways em 1911. Em 1920, a VFRGS passou a ser uma empresa estatal. Em 1957, foi encampada pela RFFSA - Rede Ferroviária Federal, que, em 1969, a transformou em uma de suas Divisões. Hoje, toda a malha ferroviária do Estado (com exceção da Trensurb) está, desde 1996, nas maõs da concessionária ALL - América Latina Logística. Nas páginas das estações, os nomes que aparecem são, ou o concessionário da empresa, ou a própria empresa, quando assumida pelo Estado ou União. É apenas um critério.

Linha Marcelino Ramos-Santa Maria
Ramal de Santo Ângelo

HISTÓRICO DAS LINHAS:

LINHA MARCELINO RAMOS - SANTA MARIA: A linha unindo Marcelino Ramos e Santa Maria foi ideealizada em 1889 juntamente com todo o trecho entrte Itararé, SP, e Santa Maria, RS, pelo engenheiro Teixeira Soares, visando a ligação ferroviária do Rio de Janeiro e São Paulo com o sul do País e também a colonização de boa parte do percurso, locais ainda virgens. A parte correspondente ao Estado do Rio Grande do Sul acabou sendo construída separadamente do restante do trecho (que seria chamado de linha Itararé-Uruguai) e entregue em 1894 à Cie. Sud Ouest Brésilien, e em 1907 cedida à Cie. Auxiliaire au Brésil. Em 1920, passou para o Governo, formando-se a Viação Férrea do Rio Grande do Sul, que, em 1969, teve as operações absorvidas pela RFFSA. Com parte do trecho desativada em meados dos anos 1990, em 1996 a ALL recebeu a concessão da linha, bem como de todas as outras ainda existentes no Estado. Trens de passageiros circularam até os anos 1980 pela linha.

RAMAL DE SANTO ANGELO: O ramal de Santo Ângelo foi construído pelo Batalhão Ferroviário, e, embora aprovado desde 1895, somente em 1911 foi entregue seu primeiro trecho ligando Cruz Alta, na linha Marcelino Ramos-Santa Maria a Ijuí. Em 1915 chegou a Catuípe, depois e Santo Ângelo (1921), a Giruá (1928) e somente em 1940 atingiu sua extensão máxima, em Santa Rosa. Era chamado de "Ramal de Ouro" por causa da grande quantidade de mercadorias que transportava. Trens de passageiros trafegaram pelo ramal certamente até os anos 1980, e o ramal hoje (2004) está concessionado a ALL.

Marcelino Ramos >> >> linha Itararé-Uruguai da RVPSC
Canavial  
Viadutos  
Gaurama  
Balisa  
Becker  
Erechim
Gauer  
Giaretta  
Capo-Erê  
Erebango  
Getúlio Vargas  
Sertão  
Eng. Luiz Englert  
Meneghetti  
Coxilha  
Maquinisto Maino  
Triângulo  
Passo Fundo  
Passo Fundo-nova >> >> linha Passo Fundo-Roca Salles
São Miguel  
Pulador  
Lassance Cunha  
Carazinho  
São Bento  
Cruzinha  
Pinheiro Marcado  
Maquinista Severo  
Dois Irmãos  
Eng. Nunes Pereira  
Santa Barbara do Sul  
Figueira
Porongos  
São Manuel
Belisário  
Lagoão  
Eurico Martellet  
Cruz Alta >> >> RAMAL DE SANTO ANGELO
Aj. Fog. Medeiros
Licinio Ramos
Fachinal
Maq. Scalabrini
Alto da União
Ijuí
Itaí
Catuipe
Maquinista Isaac
Santo Angelo >> Santo Ângelo-
nova
>>
>> ramal de
Santiago
Comandaí
Mato Grande
Giruá
Candido Freire
Esquina
Santa Rosa
José Vargas
Benjamin Not  
Curupu  
Espinilho
Batu  
S. Solano  
Tupanciretá  
Abacatu  
Xarqueada São João  
Júlio de Castilhos  
Guassupi  
Taquarembó  
Val de Serra  
Filipson  
Pinhal  
Vila Etelvina  
Fernando Pereira  
Santa Maria >> linha Porto Alegre-Uruguaiana
   
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.